sexta-feira, 25 de outubro de 2013 11 comentários

Texto de Chico Xavier

Você nasceu no lar que precisava nascer, vestiu o corpo físico que merecia, mora onde melhor Deus te proporcionou. Você possui os recursos financeiros coerentes com tuas necessidades, nem mais, nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas. Seu ambiente de trabalho é o que você elegeu espontaneamente para a sua realização. Teus parentes e amigos são as almas que você mesmo atraiu, com tua própria afinidade. Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle. Você escolhe, recolhe, elege, atrai, busca, expulsa, modifica tudo aquilo que te rodeia a existência. Teus pensamentos e vontades são as chaves dos seus atos e atitudes. São as fontes de atração e repulsão na jornada da tua vivência. Não reclame, nem se faça se vítima. Antes de tudo, analisa e observa. A mudança está em suas mãos. Reprograma tua meta, busca o bem e você viverá melhor. Embora ninguém possa voltar e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.

Colaboração da amiga: Aninha de Iemanjá

sexta-feira, 18 de outubro de 2013 11 comentários

Compartilhando Orações

    Na Umbanda, uma das coisas mais relevantes que temos para nosso
encontro com Zambi, com Oxalá, com todos os Orixás e com todas as
Entidades de Luz, é a oração.

    E a oração, feita com amor, com devoção, com fé, é um bálsamo de
alegria em nossos corações. Estamos ali, diante de um ser maior,
diante de uma luz, diante de espíritos evoluídos, diante de uma
esperança de solução em momentos difíceis.

    Hoje trazemos a todos os irmãos, algumas orações, orações essas
que nos foram enviadas por amigos especiais, que compartilharam essas
palavras, palavras que se transformaram em frases, frases que se
transformaram em orações, orações que se transformaram em esperanças.

    Também no final desse post, encontraremos uma pequena prece, na
qual eu sou o autor. Desejei anexar essa prece para demonstrar que
podemos chegar a Deus em todos os momentos de aflição através da
oração, mas também podemos através dessa mesma oração, desse mesmo
momento de esperança e fé, chegar ao divino Pai para agradecer por
tantas coisas belas e maravilhosas que ele nos proporciona.

    Temos toda a liberdade para, em forma de oração, conversarmos com
Deus, mas temos a mesma liberdade para agradecermos. E muitas vezes
nos esquecemos dessa parte tão importante em demonstrar que não somos
tomados pela ingratidão.

Carlos de Ogum

********************************************************************
********************************************************************

Oração Umbandista

Enviada pela amiga: Ana Flávia da Cruz.

Senhor, fazei de mim um instrumento da Vossa Comunicação.
Onde tantos mistificam, que eu leve a palavra da verdade!
Onde tantos procuram ser servidos, que eu leve a alegria de servir!
Onde tantos fecham os olhos para a prática do bem, que eu abra meu
coração para acolher!
Onde tantos usam a Umbanda como comércio, que eu seja usada pela
Umbanda para o Amor!
Onde tantos espalham a ignorância e o preconceito, que eu saiba agir
pela Luz do Conhecimento e da Razão!
Onde a vida perdeu o sentido, que através da Umbanda eu leve o Sentido
de viver!
Onde tantos me pedem um "despacho", que eu saiba ensinar a benção do
trabalho interno!
Onde haja doença, que eu leve a vibração de saúde do Sr. Oxossi.
Onde haja desespero que eu leve a concórdia e a placidez das Águas.
Onde houver desânimo, que leve a determinação e tenacidade do Sr.
Ogum.
Onde houver injustiça, que eu leve o discernimento e a justiça do Sr.
Xangô.
Onde tantos me pedem um milagre, que eu seja a humildade do Preto
Velho!
Onde tantos estão sempre distantes, que eu possa fazer a Umbanda
sempre presente!
Onde tantos sofrem de solidão que faz morrer, que eu seja a pureza de
Ibejada, espalhando a alegria!
Onde tantos morrem na matéria que passa, que o Sr. Omulu me abençoe
com a vibração da terra, geradora permanente de vida.
Onde tantos olham para a terra, que eu seja um espelho de Aruanda, a
refletir sua Luz na terra!

SARAVÁ UMBANDA!

(Ana Flávia Cruz)

********************************************************************
********************************************************************
                          
                           Prece Para Fortalecimento

Enviado pelo amigo: Fernando Perissê Andréo.

Na segunda-feira me senti derrotado. Exu me defendeu.
Na terça perdi meus rumos, não sabia para onde ir. Ogum abriu meus
caminhos.
Na quarta me senti injustiçado. Xangô me amparou e Iansã soprou a
poeira dos meus olhos.
Na quinta estava confuso e com medo. Oxóssi me deu sabedoria e coragem.
Hoje, sexta, estou vitorioso e tudo superei.
E com essa luz recebida
que eu não desvie dos meus ideais,
que eu não sinta fraqueza nesta caminhada,
que eu não deixe de estender a mão a quem precise,
que eu não deixe de confortar aquele que precise de uma palavra ou um
simples gesto,
que eu não perca o amor que carrego,
que toda tristeza que alguém sinta seja dispersa quando vier ao meu
encontro,
que eu tenha a força e a coragem para enfrentar a tudo,
mesmo que para isso seja preciso um sacrifício diário.
Que todo aqueles em minha volta estejam sempre iluminados.
Que nesta longa jornada eu tenha força para caminhar,
que mesmo não conseguindo caminhar, que eu tenha forças para me
rastejar, sempre em frente.
que eu tenha sabedoria suficiente para tomar cada decisão que for
preciso tomar.
Que eu tenha o dom da justiça para não julgar erroneamente.
Que todos os Orixás me acolham em seus braços como um filho.
e que como um filho eu vos seja obediente sempre.
Que a caridade, a humildade, o amor e a paz seja constante em minha
alma.
Que assim seja sempre!!!
Axé!!!

(Fernando Perissê Andréo)

********************************************************************
********************************************************************

Prece de Agradecimento Umbandista

Autor: Carlos de Ogum.

    Pai,
venho a ti humildemente agradecer por mais esse dia.

Agradeço pelo Sol que tu me destes que aquece meu corpo.
E agradeço pelo frio, que me faz lembrar desse Sol tão maravilhoso e
brilhante.

    Agradeço pela luz do dia, que me mostra a beleza da natureza.
E agradeço pelo cair da noite, para me lembrar de quanto é maravilhoso
o brilho das estrelas.

Agradeço pela ajuda em meu caminhar, rumo a vitória.
E agradeço pelos obstáculos, que me fazem ter fé e não desistir da
caminhada.

Agradeço pelo pão de cada dia, que tu me cedes.
E agradeço o sentir da fome, para entender como é sagrado a falta do
pão.

Agradeço a vida que me destes com tanto carinho.
E agradeço o entender da morte, para valorizar a vida que tenho.

Querido Pai Oxalá,
a ti entrego meus sonhos, meu caminhar e minha vida.

    Sei da pequenez do meu ser perante a ti.
Mas também sei que me ouve como um pai zeloso, que ouve um filho
querido.

    Então a ti meu Pai rogo de todo coração, sabendo que tu és o amado
Pai dos Orixás, me e eleve como um ser digno de sua sagrada
benevolência.
Me encaminhe a proteção de vossos Orixás.

    Me entregue na proteção do Guerreiro Pai Ogum, e que ele com sua
lança e seu escudo me livre das perversidades e maledicências de quem
tenta me derrubar.

    Me conduza aos braços carinhosos de Mãe Oxum, e que ela com suas
águas sagradas, lave todo o mal, que por ventura, inimigos tenham
deixado em meu caminho.

    Me eleve Senhor, a justiça de Pai Xangô, para que eu me torne
sempre justo e compreensivo, mesmo nos momentos em que eu seja
desprezado ou desdenhado, por pessoas envolvidas pelo mal.

    Me lave Pai, nas águas benevolentes de Mãe Iemanjá. E com ela,
Senhor, tendo sua pureza de uma doce mãe, me faça entender minhas
fraquezas e que eu me torne compreensivo, sem deixar jogar minhas
imperfeições nas pessoas que me cercam.

    Me guie querido Pai, pelas matas de Pai Oxossi, para que ele me
livre das invejas, preconceitos e falta de humildade, tanto vindo das
pessoas para mim, como de mim para meus semelhantes.

    Me dirija Pai Oxalá, para as mãos de Mãe Iansã, e que ela com sua
força e sua plenipotência sobre os ventos, encubra meu espírito com
seu poder e me livre de todos os obsessores, sejam eles encarnados ou
desencarnados.

    Amado Pai, me auxilie no encontro com o poderoso Obaluaiê/Omulú,
para que seja sanado todos os males do meu corpo e de minha alma, e
que assim nenhuma doença ou espírito sem luz possam me derrubar no
caminho rumo a caridade.

    Benevolente Oxalá, me de a luz para clarear o caminho para meu
encontro a sublime Mãe Nanã Buruquê, para que ela com sua grandiosa
experiência e sabedoria possa me conduzir ao rumo da honestidade, da
benevolência e do entendimento as coisas que as vezes nos parecem não
inteligíveis, para que eu possa trilhar sempre o caminho de luz.

    Caridoso Pai, que me entregue no amor dos Ibeijis, e que eles me
ensinem a ajudar sem interesse, respeitar sem discórdia e amar sem
falsidade, assim como fazem os seres infantis.

    Divino Senhor, me encaminhe ao encontro dos poderosos Exús, para que eles
com sua sagacidade e sua altivez, possam me proteger nas estradas
obscurecidas, e que não deixe que nenhuma arma fira meu corpo e que
nenhum mal espírito tome minha alma.

    Pai Supremo, que me faça entender todas as palavras das Entidades
de Luz da divina Umbanda, para que assim eu compreenda onde tenho que
ir, onde tenho que chegar, que eu entenda a hora certa de falar e a
hora certa de me calar, que eu consiga assim ser justo, caridoso e
acima de tudo conduzir, assim como o Senhor me conduz, os meus
semelhantes ao caminho da fé e esperança.

    Por tudo isso querido Pai Protetor, me curvo a sua grandiosidade
suprema e lhe agradeço a sua benevolência para comigo, seu filho
pecador mas com fé e esperança em conseguir trilhar, com sua divina
ajuda, o caminho para os braços de Zambi.

    E assim lhe agradeço, querido Pai!

    Que assim seja eternamente!

(Carlos de Ogum)
sexta-feira, 11 de outubro de 2013 17 comentários

Saudação A Nossa Senhora Aparecida, A Padroeira do Brasil












    12 de Outubro é o dia de uma das mais e respeitadas Santas do
Brasil,.

    Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a linda Santa negra,
padroeira de nosso Brasil, protetora de nosso povo, amada por milhões
de pessoas.

    Dentro da Umbanda, a querida Nossa Senhora da Conceição
Aparecida, é extremamente respeitada. Em muitos terreiros, num local
destacado em seus gongares, lá está ela, linda, radiante e amada
imagem, sendo saudada pelos seus devotos e filhos do terreiro.

    Dentro do sincretismo, Nossa Senhora Aparecida, tem sido colocada
em muitas casas de Umbanda, principalmente na Bahia, como a Orixá
Oxum, Mãe caridosa, de grande amor e ternura para com seus filhos.

    Também tem seu destaque nas linhas ciganas, na qual muitos deles
são devotos fervorosos da Santa Mãe Aparecida.

    Os ciganos brasileiros adoram Nossa Senhora de Aparecida, talvez
por causa de sua cor, e muitos a equiparam à Santa Sara Kali. Se não
têm uma imagem de Santa Sara, por ser difícil encontrá-la, por certo
possui em sua Thiera (barraca) ou casa uma imagem de Nossa Senhora de
Aparecida. Às vezes têm as duas. Em muitos acampamentos ciganos e
possível encontrar uma estátua da virgem negra depositada num altar de
uma das tendas cercadas por velas, incenso, flores, frutas e
alimentos.


História de Nossa Senhora da Conceição Aparecida:

    O rio Paraíba, que nasce em São Paulo e deságua no litoral
fluminense, era limpo e piscoso em 1717, quando os pescadores Domingos
Garcia, Felipe Pedroso e João Alves resgataram a imagem de Nossa
Senhora Aparecida de suas águas.

    Encarregados de garantir o almoço do conde de Assumar, então
governador da província de São Paulo, que visitava a Vila de
Guaratinguetá, eles subiam o rio e lançavam as redes sem muito sucesso
próximo ao porto de Itaguaçu, até que recolheram o corpo da imagem. Na
segunda tentativa, trouxeram a cabeça e, a partir desse momento, os
peixes pareciam brotar ao redor do barco.

    Durante 15 anos, Pedroso ficou com a imagem em sua casa, onde
recebia várias pessoas para rezas e novenas. Mais tarde, a família
construiu um oratório para a imagem, até que em 1735, o vigário de
Guaratinguetá erigiu uma capela no alto do Morro dos Coqueiros.Como o
número de fiéis fosse cada vez maior, teve início em 1834 a construção
da chamada Basílica Velha.

    O ano de 1928 marcou a passagem do povoado nascido ao redor do
Morro dos Coqueiros a município e, um ano depois, o papa Pio XI
proclamava a santa como Rainha do Brasil e sua padroeira oficial. A
necessidade de um local maior para os romeiros era inevitável e em
1955 teve início a construção da Basílica Nova, que em tamanho só
perde para a de São Pedro, no Vaticano.

    O arquiteto Benedito Calixto idealizou um edifício em forma de
cruz grega, com 173m de comprimento por 168m de largura; as naves com
40m e a cúpula com 70m de altura, capaz de abrigar 45 mil pessoas. Os
272 mil metros quadrados de estacionamento comportam 4 mil ônibus e 6
mil carros. Tudo isso para atender cerca de 7 milhões de romeiros por
ano.


Histórias de Milagres:


Milagres das Velas:

Estando a noite serena, repentinamente as duas velas que iluminavam a
Santa se apagaram. Houve espanto entre os devotos, e Silvana da Rocha,
querendo acendê-las novamente, nem tentou, pois elas acenderam por si
mesmas. Este foi o primeiro milagre de Nossa Senhora.

Caem as Correntes:

Em meados de 1850, um escravo chamado Zacarias, preso por grossas
correntes, ao passar pelo Santuário, pede ao feitor permissão para
rezar à Nossa Senhora Aparecida. Recebendo autorização, o escravo se
ajoelha e reza contrito. As correntes, milagrosamente, soltam-se de
seus pulsos deixando Zacarias livre.

Cavaleiro sem Fé:

Um cavaleiro de Cuiabá, passando por Aparecida, ao se dirigir para
Minas Gerais, viu a fé dos romeiros e começou a zombar, dizendo, que
aquela fé era uma bobagem. Quis provar o que dizia, entrando a cavalo
na igreja. Não conseguiu. A pata de seu cavalo se prendeu na pedra da
escadaria da igreja ( Basílica Velha ), e o cavaleiro arrependido,
entrou na igreja como devoto.

A Menina Cega:

Mãe e filha caminhavam às margens do rio Paraíba, quando
surpreendentemente a filha cega de nascença comenta surpresa com a mãe
: "Mãe como é linda esta igreja" (Basílica Velha).

Menino no Rio:

O Pai e o filho foram pescar, durante a pescaria a correnteza estava
muito forte e por um descuido o menino caiu no rio e não sabia nadar,
a correnteza o arrastava cada vez mais rápido e o pai desesperado pede
a Nossa Senhora Aparecida para salvar o menino. De repente o corpo do
menino para de ser arrastado, enquanto a forte correnteza continua e o
pai salva o menino.

O caçador:

Um caçador estava voltado de sua caçada já sem munição, de repente ele
se deparou com uma enorme onça. Ele se viu encurralado e a onça estava
prestes a atacar, então o caçador pede desesperado a Nossa Senhora
Aparecida por sua vida, a onça vira e vai embora.


    Essas são histórias contadas pelo povo, ano após ano, que
podemos ouvi-las em todos os cantos do Brasil, principalmente pela
região da Cidade de Aparecida, onde se encontra a Basílica de Nossa
Senhora da Conceição Aparecida.

    Agora para incrementar todas essas histórias, relatarei uma em
particular, que por vários anos, foi contada pelo meu Avô paterno,
Alcides Brás de Oliveira.

    No ano de 1946, Antonio de Oliveira meu pai, com a idade de 6
anos, foi diagnosticado com febre tifoide. Os médicos da época, sem
condições de tratá-lo, e vendo que sua situação piorava a cada
minuto, percebendo que a criança não tardaria a fazer a passagem,
perguntaram a meu avô, se ele desejaria levar o filho para perto de
sua esposa, para que ela se despedisse da criança.
    Ele o levou, e no caminho, parando em uma igreja dedicada a Nossa
Senhora Aparecida, deitou o filho nos pés do altar, se ajoelhou, e
pediu com toda a fé de seu coração e com lágrimas nos olhos que a Santa
curasse seu filho.
    Se dedicou fervorosamente em oração, de tal forma, que com o
cansaço do corpo adormeceu.

    Ao despertar, após uns 15 a 20 minutos, se assustou em não ver seu
filho deitado aos pés do altar como o deixara. Levantou-se ao ouvir
uma voz de criança o chamando.
    Viu seu filho, que veio a ser meu pai, brincando na porta da
sacristia, sem o mínimo de febre.
    Agradeceu a Nossa Senhora Aparecida de joelhos. E partiu novamente
para o consultório do médico, que sem entender como aconteceu, só
disse a meu avô. "Seu filho está curado."

Relato de meu avô, Alcides Brás de Oliveira, sobre o acontecido com
meu pai Antonio de Oliveira, no ano de 1946.

Carlos de Oliveira

    Abençoada seja a nossa Mãe Negra!!!

Salve Nossa Senhora da Conceição Aparecida!!!

Saravá Oxum!!!

          





 Oração a Nossa Senhora Aparecida

Ó Maria Santíssima , que em vossa querida imagem de Aparecida.
Espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil.

Eu , embora indigno de pertencer ao número de vossos filhos, mas cheio
do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia,
prostrados a vossos pés, consagro-vos o meu entendimento , para que
sempre pense no amor que mereceis ; consagro-vos minha língua , para
que sempre vos louve e propague a vossa devoção; consagro-vos o meu
coração , para que , depois de Deus , vos ame sobre todas as coisas

Recebei-nos , ó Rainha incomparável , no ditoso número de vossos
filhos , acolhei-nos debaixo de vossa proteção, socorrei-nos em todas
as nossas necessidades espirituais e temporais e sobretudo na hora da
nossa morte , Abençoai , ó Mãe Celestial e com vossa poderosa
intercessão. Fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que,
servindo-vos fielmente nesta vida , possamos louvar-vos , amar-vos e
dar-vos graças no céu , por toda a eternidade, 
Amém.




sexta-feira, 4 de outubro de 2013 19 comentários

História da Cigana Sarita



    Os Ciganos são umas das mais belas Entidades de Luz da Umbanda.
São várias histórias e lendas, que nos encantam e nos leva a viver
intensamente essas histórias. Muitas delas vem recheadas de emoção, e
ensinamentos, que nos fazem refletir muito sobre a espiritualidade de
cada um de nós.

    Abaixo vamos acompanhar mais uma dessas histórias fantásticas, e
como a linda e doce Cigana Sarita teve sua entrada no mundo
espiritual.

Cigana Sarita e sua caminhada para a espiritualidade.

    A noite estava muito escura. Lara caminhava com dificuldade
pisando sobre pedras que não conseguia enxergar.
    Andando há mais de uma hora, vira a lua aparecer no céu, mas as
nuvens que insistiam em cobri-la não deixavam que o percurso fosse
iluminado e seu destino dava a impressão de estar cada vez mais
distante. Por sorte conhecia de cor os atalhos que tomara e tinha a
esperança de chegar antes que alguém desconfiasse que fora até a
cidade.

    Dissera à velha Mina que iria tomar banho em uma cachoeira pouco
distante do acampamento, mas que voltaria antes do cair da noite.

    Desconfiada, a velha ama insistiu em fazer-lhe companhia, mas foi
rechaçada de forma grosseira, coisa pouco usual na convivência entre
elas.

    No acampamento, Mina fechou-se na tenda que dividia com Lara em
profundo silêncio para que pensassem que ambas não estavam. Porém,
conforme as horas se passavam seu coração apertava de medo pelo que
poderia acontecer à querida sobrinha caso descobrissem o que ela fora
fazer.

    Lara não dissera uma palavra sequer, mas ela sabia, criara a
garota desde a mais tenra infância e conhecia seus pensamentos e
hábitos mais que ela própria. Percebera imediatamente os olhares
trocados entre a jovem e o belo cavalheiro que encontraram em uma de
suas idas à cidade. A beleza da cigana enfeitiçara o rapaz e Mina,
experiente nesses assuntos, vira claramente o fogo da paixão
imediatamente correspondida. Tentara por diversas vezes alertar a
sobrinha fazendo-a lembrar-se de seu compromisso com o cigano Juan,
filho do chefe, mas ela não lhe dera ouvidos e sempre gritava que não
havia nada e que a velhice da mulher é que inventava esses romances
absurdos.

    Contudo ela sabia que os encontros às escondidas estavam ficando
cada vez mais frequentes e se algo não fosse feito Lara seria
descoberta e acabaria, com certeza, expulsa ou morta, já que isso
jamais seria perdoado pelo conselho dos anciãos.

    Teve um estremecimento ao ouvir a voz de Juan chamando por Lara.

    O que fazer? Ficar quieta e não revelar que ali estava? Ou sair e
contar a história da cachoeira?

Resolveu sair.

- Lara foi tomar banho lá na cascata azul, filho! - Exclamou ela.

O rapaz olhou-a com ódio e gritou extremamente transtornado:

- Como ousa mentir para mim velha Mina? Fui informado que sua sobrinha
foi para a cidade deitar-se com um Gadjo, só vim até aqui para ter
certeza de não encontrá-la, mas vou atrás dela nesse instante e não me
chamarei Juan se a deixar viva. Minha honra foi maculada e não posso
deixar que essa desavergonhada, que foi prometida a mim, fique viva
para arrastar meu nome na lama!

    Ao ouvir essa ameaça a mulher esqueceu-se de suas dores e correu
em direção à saída do acampamento, tinha de achar Lara antes dele.

    Era tarde. A cigana calmamente caminhava em sua direção. Mina
gritou com voz rouca como que arrancada do fundo do peito:

- Corra minha filha!

    Lara avistou seu prometido logo atrás da tia e num segundo
entendeu tudo, virou-se e passou a correr por onde viera.

    O Cigano Juan, por ser muito respeitado no clã, estava com a
companhia de mais 3 ciganos, que estavam dispostos a se vingarem da
Cigana Lara, e manter a honra de todos os homens do acampamento.

    Com a vingança estampada nos olhos, o grupo de ciganos
encurralaram a desprotegida Lara, deixando-a frente a frente com o
Cigano sedento de vingança e com o coração cheio de ódio.

    Juan sem misericórdia, empunhou seu punhal de lâmina de aço e cabo
feito de ouro e lançou em direção de Lara.

    O punhal certeiro do cigano atingiu-lhe em cheio o centro do
coração, fazendo-a tombar de dor.


A velha Mina ajoelhou-se em desespero gritando sobre a bela cigana,
mas não havia mais nada a fazer. O espírito de Lara desprendeu-se e
entregou-se à natureza.

    A passagem de Lara pelos campos escuros das provações foi breve,
após muitos ensinamentos e preparos para a evolução necessária,
tornou-se a Cigana Sarita e hoje alegra muitos terreiros com sua
juventude e graça.

    Apesar de adorar a dança sempre atende aos que a procuram com
carinho e grande senso de justiça, agradece a oportunidade de poder
ajudar e sai dançando com um largo sorriso!

Saravá a Cigana Sarita!



Opchá povo Cigano!



Carlos de Ogum

 
;