sábado, 22 de novembro de 2014 34 comentários

ERVAS NA UMBANDA.




                       Ervas na Umbanda

"Defuma com as ervas da jurema, defuma com arruda e guiné.
Benjoim, alecrim e alfazema,
vamos defumar filhos de fé."


    Para quem acompanha rotineiramente as Giras de Umbanda, pode perceber que as ervas estão sempre fazendo parte dos trabalhos, das
defumações, dos banhos, dos chás, enfim, de tudo que se compõe essa bela Religião.

    As ervas são essenciais na jornada de caridade da Umbanda. Elas podem ser utilizadas em uma infinidade de coisas e por uma infinidade de
Entidades de Luz.

    É muito normal nas consultas feitas com Pretos Velhos ou Caboclos, eles "receitarem" alguma coisa utilizando as ervas a seus
consulentes.

    Por esse motivo vamos nesse texto demonstrar resumidamente, os tipos de ervas utilizadas na Umbanda, quais os Orixás que tem o domínio
delas e algumas serventias.

    As mais conhecidas com certeza são: arruda, guiné, espada de
Ogum, benjoim, alfazema, alecrim entre outras.

    Agora abaixo relacionaremos cada Orixá e suas ervas, também será
relacionado as ervas que se utilizaria em banhos referente a cada
Orixá. Esses banhos podem ser de descarregos ou limpeza de aura,
conforme determinado pela Entidade de Luz que foi atendente na hora da
consulta, determinando assim o uso de cada erva específica, como por
exemplo, conforme o trabalho necessário, ou do Orixá necessário para
determinada limpeza de aura, ou qualquer necessidade de suas
vibrações.

OXALÁ.

Ervas: Tapete de Oxalá(Boldo), Saião, Colônia, Manjericão Branco, Rosa
Branca, Folha de Algodoeiro, Sândalo, Malva, Patchouli, Alfazema,
Folha do Cravo, Neve Branca, Folha de Laranjeira.
(Em algumas casas: poejo, camomila, chapéu de couro, coentro, gerânio
branco, arruda, erva cidreira, alecrim do mato,hortelã, folhas de
girassol, agapanto branco, aguapé (golfo de flor branca), alecrim da
horta, alecrim de tabuleiro, baunilha, camélia, carnaubeira, cravo da
índia), fava pichuri, fava de tonca, folha de parreira de uva branca,
maracujá (flores), macela, palmas de Jerusalém, umbuzeiro, salsa da
praia).

Ervas para banho de descarrego: Poejo, Camomila, Chapéu de Couro, Erva
de Bicho, Cravo, Coentro, Gerânio Branco, Arruda, Erva Cidreira, Erva
de São João, Alecrim do Mato, Hortelã, Alevante, Erva de Oxalá
(Boldo), Folhas de Girassol, Folhas de Bambu.

OGUM.

Ervas: Peregum(verde), São Gonçalinho, Quitoco, Mariô, Lança de Ogum,
Coroa de Ogum, Espada de Ogum, Canela de Macaco, Erva Grossa,
Parietária, Nutamba, Alfavaquinha, Bredo, Cipó Chumbo.
(Em algumas casas: Aroeira, Pata de Vaca, Carqueja, Losna, Comigo
Ninguém Pode, Folhas de Romã, Flecha de Ogum, Cinco Folhas, Macaé,
Folhas de Jurubeba).

Ervas para banho de descarrego: Aroeira, Pata de Vaca, Carqueja,
Losna, Comigo Ninguém Pode, Folhas de Romã, Espada de Ogum, Flecha de
Ogum, Cinco Folhas, Macaé, Folhas de Jurubeba.

XANGÔ.

Ervas: Erva de São João, Erva de Santa Maria, Beti Cheiroso, Nega
Mina, Elevante, Cordão de Frade, Jarrinha, Erva de Bicho, Erva Tostão,
Caruru, Para raio, Imbaúba.
(Em algumas casas: Xequelê).

Ervas para banho de descarrego: Folhas de Limoeiro, Erva Moura, Erva
Lírio, Folhas de Café, Folhas de Mangueira, Erva de Xangô, Alevante,
Quebra-Pedra.

OXOSSI.

Ervas: Alecrim, Guiné, Vence Demanda, Abre Caminho, Peregum (verde),
Taioba, Espinheira Santa, Jurema, Jureminha, Mangueira, Desata Nó.
Em algumas casas: (Erva de Oxossi, Erva da Jurema, Alfavaca, Caiçara,
Eucalipto).

Ervas para banho de descarrego: Malva Rosa, Mil Folhas, Sete Sangrias,
Folhas de Aroeira, Folhas de fava de Quebrante, Folhas de Samambaia,
Folhas de Palmeira, Folhas de Laranjeira, Erva Cidreira, Folhas de
Jurema, Folhas de Maracujá, Folhas de Palmito, Folhas de Abacateiro.

OBALUAIÊ/OMULÚ.

Ervas: Erva de Bicho, Erva de Passarinho, Barba de Milho, Barba de
Velho, Cinco Chagas, Fortuna, Hera.
(Em algumas casas: Cuféia - Sete Sangrias, Erva De Passarinho, Canela
De Velho, Quitoco, Zínia).

Ervas para banho de descarrego: Sete Sangrias, Canela De Velho, Erva
De Passarinho, Barba De Milho, Barba De Velho.

OXUM.

Ervas: Colônia, Macaçá, Oriri, Santa Luzia, Oripepê, Pingo de água,
Agrião, Dinheiro em Penca, Manjericão Branco, Calêndula,Narciso;
Vassourinha, Erva de Santa Luzia, e Jasmim.
(Em algumas casas: Erva Cidreira, Gengibre, Camomila, Arnica, Trevo
Azedo ou grande, Chuva de Ouro, Manjericona, Erva Santa Maria).

Ervas para banho de descarrego: Erva Cidreira,Gengibre, Camomila,
Arnica,Trevo Azedo ou Grande, Chuva de Ouro, Manjericão, Erva Santa
Maria, Calêndula, Alfazema.

IEMANJÁ.

Ervas: Colônia, Pata de Vaca, Imbaúba, Abebê, Jarrinha, Golfo, Rama de
Leite.
(Em Algumas Casas: Aguapé, Lágrima De Nossa Senhora, Araçá Da Praia,
Flor De Laranjeira, Guabiroba, Jasmim, Jasmim De Cabo, Jequitibá Rosa,
Malva Branca, Marianinha - Trapoeraba Azul, Musgo Marinho, Nenúfar,
Rosa Branca, Folha De Leite)

Ervas Para Banho De Descarrego: Pata De Vaca, Folhas De Lágrima De
Nossa Senhora, Erva Quaresma, Trevo E Chapéu De Couro, Alfazema.

IANSÃ.

Ervas: Cana Do Brejo, Erva Prata, Espada De Iansã, Folha De Louro,
Erva De Santa Bárbara, Folha De Fogo, Colônia, Mitanlea, Folha Da
Canela, Peregum Amarelo, Catinga De Mulata, Parietária, Para Raio.
(Em Algumas Casas: Cordão De Frade, Gerânio Cor-de-rosa Ou Vermelho,
Açucena, Folhas De Rosa Branca.

Ervas Para Banho De Descarrego: Catinga De Mulata, Cordão De Frade,
Gerânio Cor-de-rosa Ou Vermelho, Açucena, Folhas De Rosa Branca, Erva
De Santa Bárbara.

NANÃ BURUQUÊ.

Ervas: Manjericão Roxo, Colônia, Ipê Roxo, Folha Da Quaresma, Erva De
Passarinho, Dama Da Noite, Canela De Velho, Salsa Da Praia, Manacá.
(Em Algumas Casas: Assa Peixe, Cipreste, Erva Macaé, Dália Vermelho
Escura, Folha De Berinjela, Folha De Limoeiro, Manacá, Rosa Vermelho
Escura, Tradescância).

Ervas Para Banhos De Descarrego: Folhas E Flores De Angelim-amargoso,
Pinhão Roxo, Violeta, Canela De Velho, Rosa Vermelha, Dama Da Noite,
Guarabú, Manjericão Roxo.


    Buscando em relação de ervas de algumas Entidades, podemos frisar
também as ervas de Ibeijada, dos Pretos Velhos, dos Exús e Pombo
Giras, entre outros, conforme anexamos abaixo:

IBEIJADA.

Ervas: Jasmim, Alecrim, Rosas.

Ervas para banho de descarrego: Margaridinha (conhecida como rosa
branca em algumas regiões).

EXÚ E POMBO GIRA.

Ervas: Pimenta, capim tiririca, urtiga, Arruda, salsa, hortelã, Picão,
Cambará, Estramônio, Aroeira comum, Jaqueira, Dormedeira, Pimenta
Malagueta, Pimenta do reino, Olho de gato, Carrapicho-rasteiro,
Junquinho, Alfavaca, Mandioca, Dinheiro em penca, Esperta, Fortuna,
Perpétua, Sapê, Urtiga de folha grande, Trombeta roxa, Folha de fogo,
Mastruz, Cansanção de leite, Guiné, Camapu, Corredeira, Erva de bicho,
Palmatorio do diabo, Vassourinha preta, Fumo, Trapoeraba, Abacateiro,
Coerana, Aveloz, Cana de açúcar, Figueira, Urtiga brava, Arrebenta
cavalo, Bico de papagaio, Azevinho, Bredo de espinho, Jequiriti,
Comigo ninguém pode.

PRETO VELHO.

    Os Pretos Velhos tem como regra a utilização de muitos tipos de
ervas, eles por virem sempre na linha do Orixá Obaluaiê, tem como
normalidade se utilizarem das ervas desse Orixá, e claro que se
utilizam também das ervas dos Orixás na qual vem a sua irradiação, ou
seja, se vem na irradiação de Oxum se utilizam das ervas de Oxum, se
vem da irradiação de Ogum se utilizam das ervas de Ogum, e assim por
diante. O fato que sempre se utilizam de ervas, ou para banhos de
descarregos, para defumações de limpezas de ambientes ou dos filhos
necessitados, ou para chás em busca de curas dos males físicos ou
espirituais.

    As ervas mais utilizadas pelos Pretos Velhos são: Arruda, guiné,
alecrim, alfazema, benjoim, douradinha do campo, aroeira, poejo,
espada de Ogum, entre outras.

CABOCLO.

    Assim como os Pretos Velhos, os Caboclos se utilizam das ervas do
seu Orixá dominante na relação a linha, ou seja, no caso dos Caboclos
esse Orixá é Oxossi. Portanto ele trabalha com as ervas de Oxossi, e
se utilizando também das ervas de cada Orixá dominante na sua
irradiação.

    Por serem grandes conhecedores da força da natureza, não é raro
ver nos terreiros de Umbanda os Caboclos trabalharem somente com
ervas. Ervas como folhas de várias árvores, sementes, raízes, para
todo tipo de limpeza e cura do corpo espírito.


    Para finalizar vamos falar o melhor tipo de erva para lavagem do
Ori (cabeça) de um filho de determinado Orixá. Só frisando que todos
os banhos de descarrego ou de limpeza de aura, só devem ser tomados
com a determinação de uma Entidade, e somente deve ser tomado dos
ombros para baixo, sendo o da lavagem do Ori também sendo determinado
por uma Entidade de Luz e com ervas referente a cada Orixá que
comanda a coroa do médium, ou seja, ervas do Pai ou Mãe ou do Terceiro
Santo do Ori de cada filho.

FILHOS DE OXALÁ: Funcho, Barba de Velho, Girassol, Poejo, Guiné
Caboclo, Tapete de Oxalá.

FILHOS DE OGUM: Espada de Ogum, Lança de Ogum, Samambaia.

FILHOS DE XANGÔ: Alevante, Erva de São João, Erva Grossa, Mangueira.

FILHOS DE OXOSSI: Araçá, Cipó Caboclo, Lágrima de Nossa Senhora, Erva
doce.

FILHOS DE OBALUAIÊ/OMULÚ: Canela de Velho, Barba de Velho, Barba de
Milho, Sete Sangrias.

FILHOS DE OXUM: Agrião do Pará Jambuaçú, Alfavaca de Cobra, Erva de
Santa Maria, Calêndula, Alfazema.

FILHOS DE IEMANJÁ: Aracá da Praia, Fruta da Condessa, Musgo Marinho,
Guabiraba Anis, Rosa Branca.

FILHOS DE IANSÃ: Altéia Malvarisco, Bambu, Espada de Iansã, Erva de
Santa Bárbara, Açucena.

FILHOS DE NANÃ BURUQUÊ: Guarabu, Pau Roxo, Manjericão Roxo, Canela de
Velho.


    A utilização das ervas na Umbanda devem seguir a recomendação de
Uma Entidade de Luz, como um Preto Velho ou um Caboclo, o mesmo serve
para a lavagem do Ori de um filho, não se deve fazer o uso dessas
ervas na espiritualidade sem essas orientações de como fazer, com o
que fazer, o dia de fazer e o porque fazer.

    Que todos os Orixás e todas as Entidades de Luz possam nos mostrar
a melhor utilização dessas ervas, para nosso crescimento como
médiuns, como cura a nosso corpo, como limpeza a nossos ambientes e
como melhor caminho para iluminar nosso espírito.

Salve as Ervas de nossa Umbanda Sagrada!

Carlos de Ogum.











sábado, 8 de novembro de 2014 38 comentários

A História de Pai José



    "Pai José vem cá, vem cá.
Pai José vem trabalhar.
Pai José vem lá de Angola pro terreiro saravar."

    Pai José, Preto Velho caridoso que trabalha humildemente nos
terreiros de Umbanda trazendo paz, harmonia, saúde e vitórias a quem
vai a ele buscar uma ajuda.

    Pai José viveu encarnado como um negro escravizado por volta do
século XIX, em uma fazenda cafeeira da região sudeste do Brasil.

    Filho de negros da mesma fazenda, ele desde a tenra idade sentiu na pele a maldade dos senhores escravocratas, que dominavam a região na
época, ou por serem grandes fazendeiros cafeeiros, ou por serem grandes negociadores de negros para serem usados como escravos, ou pelos
dois fatos.

    A mãe de José era uma mulher muito apegada em sua fé, tinha um
grande poder de oração, e um amor extremo pelos Orixás. E neles
entregava suas suplicas e pedidos de uma vida de luz.

    Quando grávida, em um dia de intensa oração, a mãe de José ao
dormir sonha com um homem negro lhe dizendo que em seu ventre estaria
a criança que futuramente seria um grande benzedor e encaminhador de
obsessores, e ele com esse dom e essa luz poderia ajudar muito a todos
que necessitavam. Porém quando com sete anos de idade ele poderia ser
tomado pela força do mal, e essa força faria de tudo para que a luz
espiritual do menino se apagasse.

    E assim ele nasceu, dentro da senzala rodeado pelos negros
encantados com o rosto angelical do menino.

    Desde pequeno José era uma criança diferenciada, sempre pronto a
ajudar as pessoas, com uma simpatia incrível e uma índole
maravilhosa.

    E como foi dito pelo homem negro no sonho de sua mãe, aos sete
anos José apresenta uma mazela física e espiritual, que depois de
muitas orações e benzeduras de um velho negro de nome Cipriano, fica
curado e sua alma liberta dos obsessores da escuridão.

    A partir dessa cura, José se dedica a aprender todas as magias,
benzeduras e a arte de curar através de ervas e raízes, assim como
seu mestre e salvador o velho Pai Cipriano.

    Pai José, já homem feito e muito respeitado pelo fato de ser um
grande discípulo do velho Cipriano, tem cada dia mais o orgulho de ser
conhecido pelas suas ajudas aos necessitados, assim com foi conhecido
seu mestre.

    Ele tinha um jeito simples e sereno de demonstrar sua sabedoria
divina, falava manso, com um tímido sorriso e um olhar penetrante, que
encantava a todos que o procuravam, sejam negros escravizados ou
senhores donos de escravos.

Ele era realmente diferenciado entre os negros, tinha um maravilhoso
dom de acalmar dores, tanto do corpo físico quanto do espírito.

    Entre tantas histórias desse grandioso ser, vamos frisar uma que é
realmente divina, demonstrando a força da fé, e a vontade extrema de
ajudar um semelhante, mesmo se essa ajuda depender de arriscar a sua
alma.

    Como foi dito anteriormente, José ainda na tenra idade, sofreu uma
fortíssima obsessão, e essa força do mal foi retirada do caminho dele
pelo seu Mestre, o grande Pai Cipriano, que lhe salvou a vida e o
espírito de ser levado para escuridão.

Para quem ainda não leu esse texto anexamos o link abaixo para que
leiam e entendam o andamento dessa história.

A História de Pai Cipriano.

    Voltando a história de nosso Pai José, os espíritos da escuridão
que tinham ordens de envolver e levar as profundezas a alma iluminada
dele, e anos atrás foram expulsos por nosso Pai Cipriano, não
desistiram.

    Eles se silenciaram por anos e anos, mas aguardando o momento
certo de tentarem novamente seu objetivo de cumprir as ordens de
desvincular da caridade o espírito puro e iluminado desse negro que
tantas pessoas já respeitavam como curador e benzedor.

    E esse momento chegou, foi numa noite de inverno muito frio, onde
os negros tentavam se aquecer ao lado de uma fogueira. Todos sentados
ao chão empoeirado da senzala congelante.

    Ao lado de José estava sentado seu pequeno protegido e afilhado, o
menino conhecido como "Negrinho", no qual todos os negros adoravam
pelo seu sorriso sincero e cativante, uma criança realmente
encantadora.

    E pelo grande amor que Pai José tinha pelo menino "Negrinho", os
espíritos da escuridão usaram desse fato para tentar assim dominar o
negro e o levar a perder o caminho da caridade. Envolveram o espírito
do menino, obsediando e fazendo com que sua alma desprendesse da vida
terrena, ficando presa na escuridão extrema, para que assim forçasse
ao negro José se deixar levar para salvar a vida e a alma do menino.

    Ao perceber que o pequeno "Negrinho" estava sendo dominado e
obsediado, Pai José, se abraçou com ele e se elevou em orações, e
nesse instante entendeu que a alma do pequeno estava sido entregue a
escuridão, como tinha acontecido com o próprio Pai José na sua
infância.

    O negro José, ainda abraçado com o corpo inerte de seu afilhado,
clamou por Oxalá, pediu entendimento e sabedoria ao seu mestre Pai
Cipriano, que nesse momento ouviu a sua voz serena dizendo, que a
força de sua fé o levaria a salvar a alma já perdida da criança, ele
deveria fortalecer suas forças, clamar a Deus com toda força de sua
fé, e deixar que seu espírito tomasse o corpo do menino. Fazendo
isso ele teria como manter uma alma no corpo inerte da criança, e da
mesma forma teria como levar sua alma as profundezas escuras para
resgatar a alma de seu afilhado "Negrinho".

    Mas de forma nenhuma deveria enfraquecer sua fé, pois assim sua
alma ficaria presa dentro da fortaleza obscura dos obsessores, e ele
acabaria escravizado por Kiumbas e Zombeteiros.

    Mesmo sabendo do perigo que corria e mesmo sabendo que era ele
que os obsessores desejavam escravizar, José se concentra, se eleva
aos céus, e busca força espiritual para fazer o que lhe foi dito por
Pai Cipriano.

    Como em transe, seus olhos entreabertos, corpo tremulo e ainda
abraçado com o menino, ele consegue dividir a força de seu espírito
com o corpo da criança, e assim entra no ambiente da escuridão em
busca de resgatar a alma do pequeno.

    Quando deu por si, Pai José se encontrava acuado por dezenas de
espíritos negros que de todas as formas tentavam desconcentrar, para
que ele se perdesse na grande quantidade de caminhos negros e fétidos
que ali existia.

    Ele, lembrando-se dos conselhos de Pai Cipriano, se fixou em um
só ponto e seguiu adiante, rezando firmemente, mostrando que sua fé
era maior que qualquer coisa.

    Logo adiante encontrou o espírito do menino e o trouxe para junto
de si. Ao observar que Pai José  estava conseguindo seu objetivo, os
obsessores, eguns, kiumbas e zombeteiros o atacaram de diversas
formas, e ele novamente elevando-se ao Pai Maior, pede que consiga
manter sua fé para que conseguisse levar dali o espírito do menino e
o dele próprio.

    Após uma breve pausa, Pai José abre os olhos lentamente e observa
uma grande luz branca lhe protegendo, e dessa luz uma voz já conhecida
mandando ele seguir juntamente com o seu afilhado.

    Era a voz de Pai Cipriano, que foi a seu encontro com uma legião
de Exús chefiada pelo Exú Tranca Ruas, tirando de seu caminho todos os
obsessores e espíritos sem luz.

    Ao findar o caminho obscuro, foi como que Pai José saísse de seu
transe. Já na senzala ele acorda ainda abraçado com o menino
"Negrinho", que nesse instante olha o rosto cansado de Pai José e
sorri.

    Pai José com sua fé, sua boa vontade, sua caridade resgatou o
espírito do seu afilhado das garras de seus algozes obsessores. E
fazendo isso salvou seu próprio espírito.

    Ele ajoelhou e agradeceu a Zambi, nosso Pai Maior, agradeceu
também a seu Mestre, Pai Cipriano, e a toda legião de trabalhadores
da linha da esquerda, nossos guardiões Exús.

    Pai José é uma Entidade trabalhadora de nossa Umbanda, ele sempre
prega que a fé é o caminho para alcançar a vitória.

    Trabalha com carinho a todos os necessitados, a todos obsediados,
a todos sofredores, mas tem uma ligação e uma proteção especial as
crianças.

Palavras De Pai José: Aprenda Que De Nada Serve Ser Luz Se Não
Iluminar O Caminho Dos Demais.

    Saravá Pai José, a sua benção!

Adorei as Almas!.

Carlos de Ogum

 
;