domingo, 30 de julho de 2017

Sacrifícios: será que a Espiritualidade necessita disso?




    Antes de qualquer coisa vamos deixar claro que não estamos aqui para julgar qualquer tipo de seita que prega que se devem fazer sacrifícios para obter uma possível vantagem em algo que se pede, mesmo se esses pedidos forem sem nexo ou sem a mínima noção e sem nenhuma ligação com a espiritualidade.

    Gostaria de frisar também que estaremos falando de Umbanda e não de outros dogmas, portanto para ficarmos em entendimento a Umbanda prega sempre a vida, e o matar animais para supostos sacrifícios não fazem parte da Umbanda.

    Portanto vamos descrever nesse texto o olhar de um umbandista para os umbandistas e se algum leitor não concordar com o que descrevemos aqui, isso faz parte do livre arbítrio de cada um, assim como faz parte de meu livre arbítrio não crer ser umbandista quem discordar que sacrifício de animais não cabe na Umbanda.


    Muitas pessoas sem informação espiritualista dizem com convicção que devemos fazer sacrifícios de animais em rituais, porque somos carnívoros e assim devemos alimentar as Entidades com essa suposta energia, para que assim essas Entidades possam nos auxiliar em algo que desejamos.

    Pois bem, refletimos bem sobre a ignorância desses pensamentos:

Estamos comparando um ser encarnado cheio de defeitos e vícios com uma divindade de Deus, ou seja, com uma Entidade de Luz.

Estamos tentando mostrar algo que não existe, ou seja, fazer uma Entidade de Luz ser imperfeita e se energizar com algo orgânico.

Com fatos assim estamos colocando as Entidades de Luz como meros seres encarnados, que faz trocas buscando a vantagem própria. Se fosse assim não seriam Entidades.

    E assim os menos informados adentram na lenda de terem que fazer oferendas a seus deuses, enquanto os mais astutos usam desse fato para subtrair bens de uma forma desonesta e hipócrita.

    Certamente muitos supostos Zeladores de Santo, que se dizem especialistas em Umbanda vão ser contra tudo que nós do Blog Umbanda Yorimá pregamos sobre oferendas e sacrifícios, porém quem é da Umbanda, sabe onde ela nasceu, e como nasceu no Brasil, e para os que insistem em pregar sacrifícios e cobranças de oferendas vou colocar um pequeno anexo para a reflexão de todos:

"O Caboclo das Sete Encruzilhadas nunca determinou o sacrifício de aves e animais, quer para homenagear entidades, quer para fortificar a minha mediunidade... Nunca recebi um centavo pelas curas praticadas pelos guias. O Caboclo abominava a retribuição monetária ao trabalho mediúnico. Não há ninguém que possa dizer, no decorrer destes 66 anos, que retribuiu uma cura (e foram aos milhares) com dinheiro."
- ZÉLIO DE MORAES.

Obs.: Zélio de Moraes faleceu no dia 03 de Setembro de 1975, e nunca incentivou qualquer tipo de oferenda e sacrifício dentro da Religião de Umbanda.


    A ganância e a vaidade de certos Zeladores levam os mesmos a pregarem insanidades em nome da Umbanda, entre tantas dessas está os sacrifícios, que é totalmente descabido, sem nenhuma necessidade dentro da religião.

    E assim sendo para continuarmos uma reflexão estou anexando mais um texto falando sobre e na qual a fonte vem logo abaixo, portanto reflitam para não se deixarem enganar por supostos Zeladores de pensamentos arcaicos.
**********************************************************************
PERGUNTA: A Umbanda faz sacrifícios de animais?

RAMATÍS: A Umbanda não recorre aos sacrifícios de animais para assentamentos vibratórios dos Orixás e nem realiza ritos de iniciação para fortalecer o tônus mediúnico com sangue. Não tem nessa prática legítima de outros cultos, um dos seus recursos de oferta às divindades. A fé é o principal fundamento religioso da Umbanda – assim como em outras religiões. Suas oferendas se diferenciam das demais por serem isentas de sacrifícios de animais pelo fato de preconizarem o amor universal e, acima de tudo, o exercício da caridade como reverência e troca energética junto aos Orixás e aos seus enviados, os guias espirituais. É incompatível ceifar uma vida e fazer a caridade, que é a essência do praticar amoroso que norteia a Umbanda do Espaço.
Toda oferenda deve ser um mecanismo estimulador do respeito e união religiosa com o Divino, daí com os espíritos da natureza e dos animais "almas/grupo", que um dia encarnarão no ciclo hominal, assim como já fostes animal encarnado em outras épocas.

PERGUNTA: E os dirigentes de centros que sacrificam em nome da Umbanda?

RAMATÍS: Reconhecemos que na mistura de ritos existentes, se confundem o ser e o não ser umbandista. Observai a essência da Luz Divina - fazer a caridade - e sabereis separar o joio do trigo. Tal estado de coisa reflete a imaturidade e despreparo de alguns dirigentes que se iludem pela pressão de ter que oferecer o trabalho "forte". As exigências de quem paga a consulta e o trabalho espiritual e quer resultados "para ontem" acabam impondo um imediatismo que os conduz a adaptarem ritos de outros cultos aos seus terreiros. Na verdade há uma enorme profusão de rituais que naturalmente é confusa, refletindo o estado da consciência coletiva e o sistema de troca com o além estabelecido que viceja: o toma lá da cá. Toda vez que um médium aplica um rito em nome do Divino e sacrifica um animal, interfere num ciclo cósmico da natureza universal, causando um desequilíbrio, desde que interrompe artificialmente o "quantum" de vida que o espírito ainda teria que ocupar no vaso carnal, direito sagrado concedido pelo Pai. Pela Lei de Causa e Efeito, quanto maior seu entendimento da evolução espiritual - que inexoravelmente é diferente da compreensão do sacerdote tribal de antigamente -, ambição pelo ganho financeiro, vaidade e promoção pessoal, tanto maior será o seu carma a ser saldado, mesmo que isto aparentemente não seja percebido no momento presente. Dia chegará que tais medianeiros terão que prestar contas aos verdadeiros e genuínos "zeladores" dos sítios sagrados da natureza que "materializam" os Orixás aos homens e oportunizam os ciclos cósmicos da vida espiritual - as reencarnações sucessivas das almas/grupo dos animais em vosso orbe. Lembrai-vos que quanto maior a inteligência tanto maior pode ser a ambição no exercício do sacerdócio religioso. Aos que muito sabem e ambicionam, muito será cobrado pelos Orixás.

PERGUNTA: E os que justificam o sacrifício animal como "inofensivo" dizendo que não causa nenhum carma negativo?

RAMATÍS: O carma coletivo que rege os movimentos ascensionais não se prende as crenças humanas e trata-se de lei universal. Vós que sois homens e caminham à angelitude tal qual os animais rumam à humanização gostaríeis de ter vossa garganta cortada e sangue vertido até a última gota entre ladainhas, campânulas e mantras que culminam num ápice com transe de possessão? Assim fazem com os animais que rumam para se humanizar. Mesmo que os irmãos menores do orbe sejam somente instintos, regem-nos uma Inteligência Superior que os leva a inexorável individualização, direito cósmico sagrado que os conduz ao encarnarem num corpo hominal. Quanto maior a consciência menor a ignorância das verdades cósmicas e mais amplos os débitos ou créditos na contabilidade sideral de cada cidadão. A finalidade superior das almas grupos e dos animais é não serem escravizados e cruelmente despedaçados pelos crentes religiosos que acabam bloqueando-lhes o direito sagrado de aquisição dos princípios rudimentares de inteligência pela convivência pacífica e amorosa com os humanos, experiência propiciatório para que paulatinamente formem os veículos corpo astral e mental para oportunamente virem a estagiar no ciclo encarnatório humanóide. Reflitam os que matam os animais em nome dos Santos se gostaríeis que os Anjos para se tornarem arcanjos viessem vos cortar em pedaços e "chupar" vosso sangue para se saciarem nos "páramos celestiais."

* Este texto faz parte dos livros "Diário Mediúnico" e "Mediunidade e Sacerdócio” Editora do Conhecimento.
Fonte: Triângulo da Fraternidade
**********************************************************************

    Muitas pessoas vão tentar impor a colocação de que nos alimentamos de carne de animais, porém infelizmente em nosso mundo de precária evolução espiritual, a carne ainda alimenta a carne. Só que existe uma enorme diferença entre sacrificar um animal para usá-lo como alimento (o que já é errado) e usá-lo para saciar a sede por tônus vital por parte de espíritos sem luz como Kiumbas por exemplo.

    É algo totalmente sem nexo alguém matar um animal em meio às matas ou nas encruzilhadas ou ainda pior, nas tronqueiras, como indicam certos Zeladores ou que são feitos em alguns rituais de seitas, e ali deixar suas carcaças apodrecendo, isso é extremamente bestial. Se um templo sacrifica animais, ESSE TEMPLO NÃO É DE UMBANDA, não importando o que aleguem seus dirigentes. E nunca podemos esquecer a velha frase pregada pelas Entidades de Luz:
"Se se mata animal não é Umbanda".


    Finalizando gostaria de expressar que em nossa casa não é aceito nenhum tipo de sacrifício, os filhos de nosso terreiro estão cientes do que é certo e do que é errado, sabemos que muitos dirigentes de terreiro se utilizam desses rituais para firmamento ou festas, e isso é livre arbítrio de cada um, só friso que dentro da lei da Umbanda isso não é pregado e não é aceito. E quando é feito não podemos considerar que seja Umbanda, pois quando esses sacrifícios se tomam forma de ritual, com cânticos, supostos médiuns paramentados, com ansiedade nos olhos a espera do sacrificador, isso se torna na verdade uma matança, um verdadeiro espetáculo de horror que não há nenhuma necessidade de ser colocado juntamente ao nome da divina Umbanda.

    E por motivos assim, por essas pregações sem nexo ou sem noção de certos dirigentes e Zeladores que o santo nome da Umbanda se transforma em "munição" para atacar a religião por líderes de outros dogmas, que já de uma forma mau caráter dizem que até sacrifícios humanos são feitos dentro da Umbanda, coisa que sabemos que não existe e nunca existiu.

    Vamos resguardar a nossa religião, vamos parar com esses rituais que nada tem a ver com Umbanda, vamos deixar de sermos gananciosos, vaidosos, mistificadores, vamos ser umbandistas, apenas umbandistas, a religião que prega o amor, a caridade, a paz e a vida acima de tudo.

Salve a nossa amada Umbanda!


Carlos de Ogum

44 comentários:

Aninha de Iemanjá disse...

Texto maravilhoso, padrinho.

Agradeço a Zambi por fazer parte de um terreiro com um verdadeiro Zelador de Santo como o senhor, que prega a verdadeira Umbanda.

Nenhum Orixá ou Entidade de Luz necessitam de sangue para se "fortalecer" ou proteger seus filhos; são divindades, não espíritos sem luz. Isso vai contra os ensinamentos e fundamentos da caridade e do amor.

Esse texto é mais um alerta aos desavisados e enganados por falsos Zeladores.

Axé!

Anônimo disse...

Você poderia divulgar suas redes sociais para eu poder seguir.?

Zazá disse...

Ooooh tapa na cara desses falsos umbandistas. Adorei.

Anônimo disse...

Sem tirar nem por. Texto magnifico

Claudinha disse...

Oba pai, vou levar esse texto a uma suposta mãe de santo que mata
tudo e diz que é umbanda.

Valéria Montes disse...

Esse texto foi realmente algo extremo necessário, para fazer as
pessoas acordarem para a realidade.

Beatriz Moedinha disse...

Essa é a verdadeira Umbanda, sem sacrifícios e sem palhaçada. Eu amo
esse blog, eu amo esse pai Carlos. Nota mil pra ti pai.

Nubia Gatinha disse...

Realidade pura nesse texto. Muito bom eu estou muito feliz em ler algo
assim, mostrando a Umbanda verdadeira.

Mary disse...

Pai Carlos, que lição linda, parabéns.

Sara Peçanha disse...

Paizinho você mexeu com muitos falsos pais de santo, eu adorei.
Muiiiiiiiito lindo tudo isso.

Pedro Couto disse...

Verdadeira Umbanda pregada em palavras sábias. Divina lição.

Patricia Mourão disse...

Agora sim, um texto de muita luz que deve ser esfregado na cara
desses malucos assassinos. Parabéns pai Carlos.

Simone disse...

Texto bom demais. Uma lição a todos.

Raquel Salvinni disse...

Gosto desses textos polemicos de Pai Carlos. Eu sou sua fã, e estou
juntinha com suas ideias.

Tatiana Kopke disse...

Exemplo de luz dentro da Umbanda. Diga não aos sacrificios.

Anônimo disse...

Já fui em alguns lugares que exigiam sacrificios, eu sempre achei
errado, e agora tenho certeza. Belo texto.

Yara Santana disse...

Que sacrificio nada, a Umbanda não prega isso, seu texto foi tudo e
mais um pouco amado pai Carlos.

Sabrine Farad disse...

Uma religião de luz como a Umbanda não poderia mesmo aceitar o
sacrificio. Esse texto merece uma medalha.

Bruna Meneses disse...

E pai Carlos mostrando por A mais B que tem muitos terreiros fazendo
tudo errado por ai. O senhor é D+.

Verinha Gold disse...

Abençoado seja o senhor pai Carlos, essa demonstração de que não se
deve fazer sacrificios dentro da Umbanda foi realmente sensacional.

Anônimo disse...

Meu Irmão de Luz, estou muito feliz em poder ler seu texto. Um texto
fiel a Umbanda verdadeira, sem esses preceitos de sacrifícios, de falsos
Zeladores, que induzem a nossa gente a fazer covardias em nome de um
nada. Você é um ser de muita luz, e eu tenho orgulho em poder acompanhar
suas escritas para poder, com a sua autorização, levar muitos
ensinamentos a minha casa e a meus filhos de Santo. Obrigado por tudo.
Que Oxalá o abençoe mais e mais. Mãe Maria de Oxum.

Talita 19 disse...

Maravilhosa aula de verdadeira Umbanda. Parabéns.

Anônimo disse...

Uma verdadeira colocação que deveria ser lida e seguida por todos
pais de santo.

Giulia F. disse...

Odeio a matança em terreiros. Ja sai de muitos deles por isso.
Realmente não se deve fazer pois não tem sentido algum.

Sara Guedes disse...

Meu pai de santo preferido dando mais uma mega aula de Umbanda. Isso
sim que é orientação significativa.

Mirelle Pereira disse...

Pai Carlos, e o que fazer quando um Zelador de Santo faz essas coisas
e tenta obrigar os filhos da casa a fazer com ele?

Maria Clara Santos disse...

kkkkk tem muito pai de santo xingando o senhor ´por esse texto. Eles
mandavam os filhos trazer galinhas e outros animais para o próprio
jantar. Seu texto foi sensacional pai.

Carlos de Ogum disse...

Caro(a) anônimo(a), nosso Twitter: www.twitter.com/umbandayorima
nossa página no Facebook: www.facebook.com/umbandayorima

Axé!

Carlos de Ogum disse...

Cara Mirelle, caso você não esteja de acordo com algo no terreiro, deve ser utilizado seu livre arbítrio; a escolha de ficar ou sair é sua.


Axé!

Jair Cardoso disse...

Abraço a causa, assino embaixo, e sigo os passos de Pai Carlos sem
pestanejar. Isso sim que é Umbanda.

Anônimo disse...

Nem entendo o porque tem gente que acredita na matança. Isso é
terrivel.

Beatriz Moedinha disse...

Bençãos pai, esse texto me fez refletir como fui boba em acreditar em
tanta asneira de muitos Zeladores. Obrigado por abrir a mnha mente e
olhos.

Angélica Anjinha disse...

Gostei demais dos ensinamentos. Agora não caio nesses papos errados
de pessoas que se fingem ser pais e mães de santo.

Milly disse...

Que lição linda pai. Adoro suas colocações sobre essas invenções em nome
da Umbanda. Isso faz calar muitos pilantras que vendem a Umbanda como
magia. Saravá ao senhor.

Marcela Moura disse...

Bela colocação. A Umbanda nunca pediu, não pede e nunca pedirá
sacrifícios.

Deborah Jasmim disse...

Abençoado seja ao senhor Pai Carlos. Demonstrando a verdadeira
Umbanda, sem mortes de animais. Parabéns.

Larissa disse...

Impressionada como tem gente que não respeita a regra da vida. Seu
texto é uma lição verdadeira a tantos Zeladores que inventam a matança
dentro de terreiros. Entidades não precisam disso. Afinal são Entidades
e não humanos falhos como nós. Estou orgulhosa de fazer parte do grupo
que não pratica essas atrocidades. Abraços fraternais Pai Carlos, o
senhor é um exemplo maravilhoso para todos os umbandistas.

Deborah Jasmim disse...

Pois é pai, muitas pessoas estão se roendo agora. Seu texto deu a verdadeira lição para esses doidos assassinos que pregam sangue e viceras nos trabalhos abençoados de Umbanda. Só que estão alimentando Zombeteiros e nem se dão conta. São extremamente idiotas. E certamente vai aparecer um ou outro aqui pra falar ao contrario. Estou com você meu pai. Salve a Umbanda sem sacrificios

Anônimo disse...

Texto muito inteligente e verdadeiro

Beatriz Moedinha disse...

Detesto essas pessoas que pregam sacrificios. Um nojo disso tudo.

Anônimo disse...

Realmente o senhor ta certo nao precisa mesmo. A espiritualidade é soberana nao tem pq ter sacrificios

Dudinha disse...

Verdadeiramente não precisa. Como sempre o senhor Pai Carlos demonstra a realidade da Umbanda.

Helena Gaspar disse...

Belo blog e bela aula de umbanda. E ai se prova quanta mentira temos por ai, nada de galinha morta nas encruzas. Isso realmente não é umbanda.

Clarinha disse...

Pai eu sempre achei que era tudo conversa mole esse negocio de sacrificios. Quando era evangélica os pastores diziam que a Umbanda era macunba e que sacrificavam até crianças. Eu tinha até medo. Mas como já disse em outras vezes, encontri meu anjo na Umbanda que é você. E assim aprendi um monte de coisas. Esse texto pra mim foi maravilhoso, pois me tirou uma duvida cruel. Muiiiiito obrigado meu pai querido, meu anjo. Beijos. <3 <3 <3

Postar um comentário

 
;