quarta-feira, 20 de junho de 2018 1 comentários

Banhos de Descarrego e Proteção para serem tomados na semana de: Pai Xangô.


Imagem relacionada

    Hoje falaremos dos banhos de descarrego e de proteção para serem
tomados na semana de Pai Xangô, que é comemorado no dia 24 de junho.

    Lembrando, que assim como foi dito nos textos anteriores, os
banhos de descarrego e de proteção podem ser tomados por qualquer
pessoa, sendo essa pessoa filho ou não do Orixá.

    Devemos entender que Xangô é um Orixá ligado a justiça, a
sabedoria, a inteligência, ele que reina pelas causas dentro da
Umbanda, fazendo com que quem deve, pague; e quem merece, receba.

    Aquele que tiver algo a favor da justiça, que for em busca dessa
mesma justiça dentro de seu merecimento, certamente deverá saber que
Xangô estará com ele e que esse amado Pai justiceiro jamais o
abandonará.

    Portanto a fé nas causas de Xangô devem ser elevadas e assim
certamente a vitória surgirá.

    Agora vamos aos banhos.

                        BANHO DE DESCARREGO:

    Em uma panela grande adicione dois litros de água para ferver.

    Em uma vasilha de vidro ou de louça, adicione as seguintes ervas:

Elevante.
Manjericão.
Orobô ralado (fruto africano).
Quebra Pedra.

    Coloque essas ervas e o fruto ralado na vasilha de louça, despeje
a água sobre eles e deixe em infusão, deixando assim até a temperatura
da água ficar agradável ao corpo.

    Após seu banho normal despeje esse banho de descarrego de sua
cabeça aos pés.

    Faça uma oração a Pai Xangô, rogando pela sua proteção e limpeza.

    As ervas que foram coadas do banho podem ser despachadas em um rio
de água corrente, ou em um jardim.


                         BANHO DE PROTEÇÃO:

    Esse banho deve ser preparado com antecedência, pois ele deve
ficar em imantação por umas 4 horas, e deve ser feito da seguinte
maneira:

    Em uma panela colocar 5 litros de água, adicionar um maço grande
de manjericão roxo bem macerado, esse manjericão deve ser bem lavado
antes da maceração. Deixe-o em imantação por 4 horas, e após esse
tempo deverá ser coado de forma que reste o mínimo de erva nele. Após
seu banho higiênico, despejar esse banho de proteção da cabeça aos
pés, rogando a Pai Xangô que purifique seu corpo físico e espiritual
eliminando todas as energias negativas, retirando pragas, obsessores e
todos os males.

    Fazer uma oração a Xangô, pedindo forças para caminhar, e pedindo
que seja protegido contra tudo que possa atrapalhar essa caminhada.

    As ervas que forem coadas desse banho podem ser despachadas em um
jardim, em uma mata ou em um rio de água corrente.


          BANHO TANTO PARA PROTEÇÃO QUANTO PARA DESCARREGO:

    Em um balde limpo deve-se macerar um maço grande de beti cheiroso
(conhecido também como eucalipto limão), adicionar cinco litros de
água, tapar o balde com um pano branco e deixar em imantação por umas
duas horas. Após esse tempo, coar o banho, e depois de seu banho
normal, despejar esse banho de Xangô da cabeça aos seus pés.

    Conforme for jogando o banho faça seus pedidos, com coerência, a
Pai Xangô, e termine fazendo uma oração.

    As ervas coadas desse banho devem ser jogadas em um rio de água
corrente ou em um jardim.


                 BANHO PARA PROTEÇÃO E PROSPERIDADE:

    Em uma panela grande colocar três litros de água para ferver,
após fervida colocar os seguintes ingredientes, mexendo sempre em
sentido horário com uma colher de pau:

Eucalipto limão.
Folha da fortuna.
Hortelã.
Elevante.
Manjerona.

    Após fervida, apagar o fogo e tapar a panela deixando em infusão
por cinco horas. Coar, adicionar mais água, e após seu banho normal
jogar esse banho da cabeça aos pés. Fazer seus pedidos com coerência,
e fazer uma Oração a Pai Xangô. Despachar os ingredientes coados em um
jardim, ou mesmo ainda em um rio de água corrente.

                  BANHO PARA ABERTURA DE CAMINHOS:

    Em uma panela colocar 7 litros de água para ferver. Assim que
entrar em ebulição adicionar as seguintes ervas:

Cavalinha.
Elevante.
Erva de São João.
Mulungu.
Nega mina.
Panacéia.
Pau Pereira.


    Mexa com uma colher de pau no sentido horário, tampar a panela e
deixar cozinhar em fogo baixo por mais 7 minutos, desligar o fogo.

    Manter abafado por 3 horas e coar. Adicione mais água às ervas em
um outro recipiente maior.

    O banho para abertura de caminhos deve ser tomado do pescoço até
os pés despejando a água com o fluído das ervas, após o banho
higiênico.

    Peça a Xangô para afastar as impurezas e trazer abertura a seus
caminhos; faça uma oração a Pai Xangô e acenda uma vela marrom.

    As ervas coadas do banho podem ser despachadas em uma pedreira, em
um jardim ou em um rio de água corrente.


BANHO PARA OS FILHOS DE XANGÔ QUE ESTÃO EM DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO:

          (PARA ATRAIR A ENERGIA E A VIBRAÇÃO DE PAI Xangô)

    Separe com antecedência as seguintes ervas e materiais:

bacia de louça branca.
Água Mineral.
Elevante.
Alfavaca Roxa.
Aperta Ruão.
Caferana.
Cavalinha.
Erva de São João.
Erva Grossa.
Mulungu.
Nega Mina.
Orobô (ralado).
Panacéia.
Pessegueiro (folha e flores).

    Esse banho deverá ser feito um dia antes de ser utilizado. Pega-se
a bacia branca, coloque as ervas na quantidade que desejar e achar
necessário, junto a ervas coloque a água mineral bem devagar, comece
a macerar com cuidado.

    Peça proteção a Pai Xangô em forma de oração, peça-o que sempre
restabeleça sua Coroa quando fraquejar.

    Deixe esse banho descansar, coberto com um pano branco e
principalmente onde ninguém possa mexer nele, pois esse banho só pode
ser manipulado pelo filho que vai utilizá-lo.

    Importante: Esse banho não pode ser fervido, para esquentá-lo,
caso desejar que fique em uma temperatura mais agradável, esquente um
pouco mais de água em um recipiente, e jogue junto à água do banho e
as ervas maceradas no momento que for tomar o banho. Esse banho deve
ser jogado da cabeça aos pés, após seu banho normal. Acenda uma vela
marrom, e faça uma oração a Xangô.

    Façam sempre esses banhos com boas intenções e com muita fé, assim
certamente Pai Xangô estará sempre a seu lado.

Caô Cabecile Xangô!

Imagem relacionada


Carlos de Ogum

domingo, 10 de junho de 2018 1 comentários

Poema aos Exús, Malandros e Pombo Giras do TUPOM. (Por: Carlos de Ogum)


Resultado de imagem para exus e pombo giras

A noite chega misteriosa,
gargalhadas iremos ouvir sem nos assustar,
de um lado a Pombo Gira toda charmosa,
do outro o Exú que vem nos encantar.

Chamado com louvor de linha dos guardiões,
aqueles que sempre lutam para nos proteger,
iluminando os caminhos e acalmando os corações,
Exús e Pombo Giras vêm na Umbanda para o mal vencer.

Da linha da direita ou da esquerda eles vem,
trazendo a todos paz e enormes lições,
Exús, Malandros e Pombo Giras grande luz sempre tem,
demonstrando a todos suas proteções.

Na frente chega Senhor Tranca Ruas, o valente,
mostrando que ali o mal nunca reinará,
traz a sabedoria, a caridade, a luz e uma boa corrente,
e mostra ser vencedor em nome de Pai Oxalá.

Em um belo luar Maria Padilha vai chegar,
com seu sorriso lindo, meigo e encantador,
dançando como uma deusa ela veio saravar,
distribuindo a todos suas bençãos de amor.

Malandreando Senhor Zé Pilintra vem chegando,
com seu jeito de grande mestre de luz,
com um sorriso no rosto no terreiro vem adentrando,
trazendo a seus filhos as bençãos de Jesus.

Maria Mulambo chega na noite estrelada,
trazendo a força e o poder da Calunga Pequena,
com essa rainha a casa fica sempre abençoada,
deixando nossa Gira sempre bem firme e serena.

Seu Tiriri chega com muita fé e extrema luz,
trazendo a força que sempre vai nos reerguer,
suas palavras e ensinamentos sempre nos conduz,
e mesmo em caminhos com obstáculos vamos sempre vencer.

Gargalhando lindamente vem Dona Maria Quitéria,
descarregando os filhos e todo o terreiro,
limpando a aura, o espírito e a matéria,
auxiliando a todos da casa de meu Ogum Guerreiro.

Com a força da Encruza ele vem nos proteger,
e com seu poder obsessores nunca crescerão,
Sete Encruzilhadas Exú que faz acontecer,
trazendo consigo toda sua legião.

Linda como os raios do Sol ela vem girando,
trazendo em suas mãos a luz e o poder,
belíssima nas tronqueiras ela vem reinando,
a ti de joelhos peço, Rosa Caveira venha nos valer.

Das ruas ele saiu para na Umbanda lutar contra o mal,
tem no olhar o mistério, a magia e o poder,
o encanto desse Exú não tem igual,
Seu Mulambo trabalha para ajudar e retirar o sofrer.

Com olhos atentos essa Pombo Gira vem dançando,
mostrando a todos que nosso terreiro é de caridade,
como uma flor seu perfume vem exalando,
Sete Saias traz a todos a paz, o amor e a verdade.

Com sua capa e seu capuz seu João Caveira já vem,
trazendo a força e a essência da Calunga Pequena,
em sua face apenas estalar de ossos ele tem,
e em suas palavras sempre deixa nossa vida mais amena.

Certamente nossos trabalhos não teriam o mesmo efeito,
sem as lindas gêmeas vindas da malandragem,
com Rosinha e Rosa da Estrada sempre se dá um jeito,
de expulsar esses obsessores sem coragem.

Seu Sete Porteiras nossa casa vai guardar,
mostrando ao mal e a obsessores que ali eles não tem vez,
é ele quem decide quem pode ou não pode entrar,
dando a rua a quem o mal deseja e o Gongá a quem a caridade fez.

Senhor Sete Tronqueiras vem também para entrada guardar,
nunca deixando entrar na tronqueira espírito da escuridão,
tem o grande dom de nosso Gongá iluminar,
sendo ele o divino e poderoso senhor guardião.

Seu nome é Rosa e sete saias ela tem,
sua magia é feita com caridade e imenso amor,
ela trabalha no saravá, no axé e no amém,
sempre bela e radiante como no jardim uma linda flor.

Para o auxílio de desobsessão com a força de Omulú,
com louvor Senhor Sete Cova vem nos ajudar,
está em nosso terreiro também com  Megê que é nosso Ogum,
para todos os espíritos sofredores poder encaminhar.

Com seu sorriso infantil ela nos encanta,
o sorriso belo de sua boca pequenina,
com sua força nossa Gira ela imanta,
é a doce e meiga Pombo Gira Menina.

Espíritos trevosos devemos mostrar o caminho,
rogando a Deus que eles entendam e para a luz possam partir,
aqueles que por algum motivo não conseguirem fazer isso sozinho,
Senhor Sete Catacumbas estará ali para fazê-los refletir.

De um belo jardim nasceu essa linda Rosa,
Rosa que em Pombo Gira Cigana se transformou,
chegando no terreiro cantando em verso e prosa,
contando a história de um feitor que tanto amou.

Direto da Calunga Pequena ele veio para o Terreiro,
e com a força e o poder de Oxalá o mal ele vai dominar,
trazendo paz e harmonia em toda a Gira e o tempo inteiro,
esse é Senhor Sete Cruzes que com sua luz toda escuridão vai iluminar.

Do reino da Calunga também chega senhor Tatá Caveira,
e todos espíritos sem luz ele vai dominar,
mostrando que nosso terreiro não é de brincadeira,
e todos esses obsessores ele vai doutrinar.

Da nobreza ele chegou e na Umbanda saravou,
trazendo aos filhos da casa sua rigorosa lei,
um a um no terreiro ele conquistou,
com palavras fortes e lições exatas, esse é nosso amado Exú Rei.

No terreiro temos um fiel e grande amigo,
que nos traz muita alegria e felicidade,
com ele jamais correremos perigo,
seu nome é Navalha, o Malandro de grande serenidade.

Senhor Zé da Lapa chega no terreiro dançando,
para nosso terreiro sempre iluminar,
sorridente vem com seu poder exalando,
força suprema que só nos faz encantar.

A tronqueira é fechada do início ao fim,
por Senhor Caveira nosso Exú poderoso,
com suas mãos fortes de cor de marfim,
nada passa por esse ser divino e vigoroso.

Esses são nossos amigos e amigas da Gira de virada,
que sempre nos trazem muita paz, sabedoria e luz,
deixando sempre divina nossa Umbanda encantada,
e muitos ensinamentos de nosso Mestre Jesus.

Pedimos a proteção dos Malandros, Exús e Pombo Giras,
e aqui demonstramos essa força com muito amor para você,
rogamos a Deus que tenhamos sempre essas forças divinas,
e elas sempre iluminem o Terreiro de Umbanda Pai Ogum Megê.

Resultado de imagem para malandros e malandras

Carlos de Ogum

quarta-feira, 30 de maio de 2018 17 comentários

A História de Pai Casemiro




Salve nossa Umbanda amada,
salve o cazuá dos Velhos do cativeiro,
na senzala tem mironga sagrada,
Pai Casemiro é nosso vovô guerreiro.

Com flores e água ele sabe curar,
Preto Velho sagrado de nosso Gongá,
com tanta humildade ele vem nos salvar,
Velho Casemiro enviado de Oxalá.

Sua lei quem coordena é nosso amado Jesus,
trazendo dentro do peito um enorme coração,
ele é divino, caridoso, nossa luz,
e venho aqui meu Pai Casemiro lhe pedir a benção.



    A história de Pai Casemiro começa nos fundos de uma velha senzala em uma fazenda cafeeira da região sudeste do Brasil, no período do século XIX, onde seu nascimento foi constatado pelos negros que ali residiam.

    Uma jovem escrava em um momento raro de felicidade em sua vida, dava à luz a um belo menino nos fundos de uma senzala, rodeada por outros negros, e a seu lado uma velha negra que era conhecida como a melhor parteira da região, e também pelo negro Juvêncio que era pai do recém-nascido.

    Ao vir ao mundo de Pai Oxalá, o pequeno menino é pego pelos braços de seu pai e erguido aos céus, como forma de agradecimento pela tão bela benção recebida.

    Os negros emocionados, sorriam e cantavam canções de boas-vindas ao pequeno menino.

    No céu as estrelas brilhavam mais do que de costume, a Lua dava impressão de sorrir juntamente com os negros, demonstrando toda a felicidade daquele nascimento.

    De braços erguidos e com o menino elevado a Deus, Juvêncio clamou por proteção a sua criança. E nesse momento um facho de luz brilhante pairou sobre o menino, como se Oxalá o abençoasse.

    Os negros ao redor se ajoelharam ao chão, e rezaram em coro. E o surpreendente aconteceu, do facho de luz desceram pétalas de diversas flores, perfumando todo o local, deixando todos boquiabertos.

    Juvêncio de olhos fechados, agradecia em silêncio, e sua fé foi tão extrema que ele ouviu uma voz firme, porém amável dizendo-lhe:

    "Meu filho, siga com seu menino até a cachoeira, deve batizá-lo ainda hoje, pois esse menino será luz, divindade e paz entre seus irmãos. Você deverá fazer dessa maneira, pois seu tempo ao lado dele será curto. E para ser realizado a missão preparada a ele por Deus, será de suas mãos que devem cair as águas do batismo."

    Juvêncio ergueu o olhar, estava sereno e exalava fé. Pegou o menino, e partiu, junto a ele alguns negros acompanhavam.

    Ao chegar na cachoeira, a noite estava alta, Juvêncio se pôs de joelhos as margens do rio. Rezou, agradeceu, e clamou por bênçãos a seu filho.

    Do meio da cachoeira surge uma linda mulher vestida toda da cor azul, se aproxima do negro, pega a criança em seus braços, da meia volta e segue até a queda d'água. Com delicadeza a mulher molha sua mão e faz uma benção no menino recém-nascido, dizendo palavras não entendíveis, mas em forma de oração.

    A Lua joga seu facho de luz sobre o menino, assim como o vento cobre sua pele parecendo o proteger, o próprio vento traz pequenas folhas das matas para o abençoar, e assim o pequeno menino fora batizado pela Mãe Natureza.

    A mulher retorna com o menino, entregando-o ao pai, e pedindo-lhe que escolhesse um nome, sendo esse nome de alguém que Juvêncio tivesse muito respeito e admiração.

    Juvêncio sem pestanejar lembra-se de seu pai, avô do menino, que era um grande guerreiro, e que desencarnou sob a chibata de um feitor, após lutar intensamente para salvar seus irmãos negros. E o nome desse guerreiro era Casemiro, e esse foi o nome dado ao menino recém-nascido.

    A mulher pega um pequeno manto azul, o deita ao chão, e sobre ele coloca o menino, bem próximo a borda do rio no qual era conduzido pela queda d'água. Os negros que acompanhavam Juvêncio se ajoelharam e rezaram aos Orixás, enquanto a imagem da mulher desaparecia diante dos olhos de todos.

    Ao findar as orações, Juvêncio pega seu filho, enrolado no manto azul, e ao retirá-lo do chão, todos ficam extasiados pois no local onde estava o manto com o pequeno Casemiro, brotava flores, crescendo rapidamente diante dos olhos de todos, trazendo aquele ambiente um doce perfume divino.

    Juvêncio retorna com seu filho juntamente a sua esposa, conta-lhe todo o acontecido, deixando a jovem negra extasiada, porém preocupada, pois ela não compreendia o porquê seu marido teria pouco tempo com seu filho.

    Vinte e um dias se passaram, e chegou o dia da separação do menino Casemiro e seu pai. Um coronel de uma região distante, veio até a fazenda cafeeira onde residia a família de Juvêncio, a fim de negociar escravos para serem levados a sua fazenda. E Juvêncio fora o primeiro negro que o coronel se interessou, fazendo assim que houvesse a separação de pai e filho, mesmo com muitas lamentações e pedidos, de todos, porém sem a menor dor na consciência dos negociadores.

    Casemiro agora estava apenas com sua mãe, e isso duraria pouco tempo também, pois sete anos após, sua mãe fora tomada por uma doença desconhecida, que disseminou dezenas e dezenas de pessoas na região, tanto negros quanto brancos.

    Esse fato deixou o menino Casemiro desesperado, pedia a Oxalá para desencarnar junto com sua mãe, porém uma negra da fazenda que tinha muita fé, dizia ao pequeno garoto, para nunca desanimar, pois Zambi só fazia as coisas certas, e se sua mãe partiu daquela forma é que teria um motivo muito forte.

    O menino chorava copiosamente, mas buscava entender as palavras da negra.

    Dois anos se passaram após esse fato, porém a doença desconhecida ainda matava muitas pessoas. E em uma noite dentro da senzala, Casemiro, dormia com um sono sobressaltado, até que desperta assustado. A seu lado estava a mulher que tinha o batizado na cachoeira, e ele se levantando a observa profundamente, ela tem um sorriso meigo, amável, sereno, olhos brilhantes, afáveis, e se virando para o menino lhe fala:

"Meu filho amado, venho hoje para lhe mostrar seu poder de cura, com ele poderá sanar as dores de homens negros e brancos. Sua fé fará com que sua luz brilhe sobre essas pessoas doentes, e assim com seu amor e sua caridade os males que a anos vem decepando vidas, se afastará daqueles que em ti confiar.

    Use as flores como matéria para chás, emplastros, colha os orvalhos de suas pétalas, as folhas de seus caules, os perfumes que acalmarão todas as dores.

    Seja caridoso, seja amável, seja fiel a Oxalá. Todas as dores irão se afastar, estados febris vão se acalmar, e a morte irá para longe de todos os seres que estimularem sua fé."

    Ao dizer essas palavras a imagem da linda mulher se afasta do menino, indo de encontro com as estrelas.

    Ao amanhecer o pequeno Casemiro corre pelas estradas que levam até a cachoeira, ele não sabia porque, mas sabia que deveria ir até ela, mais precisamente até ao jardim que nascera quando o menino fora batizado.

    Ao chegar ao pequeno jardim, Casemiro se ajoelhou diante dele, e se deixando levar pelos impulsos foi colhendo diversas flores, de todas as cores, tipos e perfumes. E a cada flor que retirava do pequeno jardim, uma nova brotava e crescia em frente a seus olhos, fazendo assim com que o menino ficasse mais encantado ainda.

    Ele leva as flores para a fazenda cafeeira, e lá com auxílio de uma velha negra fez chás, compressas, banhos, enfim, tudo que pudesse para sanar as dores dos adoentados.

    O tratamento foi iniciado dentro da senzala, e como um passe de mágica, os negros iam se recuperando a olhos vistos.

    As notícias das melhoras dos negros foram se espalhando como pólvora, chegando até a casa grande, onde residia o coronel e sua família, e lá se encontrava muitas pessoas adoentadas, o coronel ordenou que trouxessem o menino até sua residência, e mandou que ele fizesse o tratamento aos membros de sua família.

    O pequeno Casemiro se lembrou de seu pai que fora vendido sem a chance de ver seu filho crescer, de sua mãe que morrera do mesmo mal que agora atacava os familiares do coronel, e tantos irmãos negros que partiram sem a chance de cura. Ele parou, refletiu, por um momento pensou em não auxiliar os adoentados da família do coronel, porém lembrou-se das palavras da bela mulher que o batizara, que deveria ser caridoso, amável e ter muita fé.

    Num impulso ele começou a se utilizar das flores como tratamento a todos os adoentados dali, e um a um se via a estabilização do corpo físico, deixando o coronel muito aliviado.

    Após isso muitos anos se passaram, o menino Casemiro já era um homem feito. Ele cuidava dos jardins da fazenda com maestria, trazia mudas de flores da cachoeira e ia espalhando elas pelos jardins fazendo assim que toda a fazenda tivesse um colorido brilhante e estonteante perfume.

    Quando Casemiro completou seus trinta anos, o coronel já muito velho decidiu se desfazer de boa parte de seus escravos, vendendo-os a outros coronéis da região.

    Casemiro fora vendido para uma fazenda próxima, pois sua fama de curador era grande, e logo apareceram diversos interessados no negro.

    Toda a família do velho coronel foram contra a venda de Casemiro, porém o coronel estava irredutível.

    Quando Casemiro partiu da fazenda, todas as flores de todos os jardins foram murchando, até que todas secaram, inclusive as do jardim da cachoeira.

    Casemiro começa uma vida nova, porém se sente um tanto perdido sem suas flores. Na fazenda nova onde reside agora muitos negros trazem no corpo físico alguns males de diversas doenças, nas quais ele, Casemiro, poderia ser muito útil.

    Ele esperançoso ao se lembrar que deveria elevar sua fé sempre, se ajoelha e clama por auxílio, orando aos céus que lhe dê um caminho.

    Sem perceber o pedido dele é atendido, chega ao seu lado a imagem da bela mulher, trazendo nas mãos flores diversas, e um recipiente de barro com água. Ela chama a atenção de Casemiro dizendo-lhe:

    Levante-se filho amado, tome essas flores. Plante-as em um belo jardim distante das plantações da fazenda, de preferência perto do rio da pedreira (local conhecido por todos moradores dali), plante-as bem próximo da margem e da pedreira. E ao fazer isso suba até o cume, despeje essa água nele e desça sem olhar para trás. Ao chegar a seu jardim, ore com vontade a Deus, peça forças para continuar, peça fé para não desistir."

    E assim Casemiro fez, após plantar nas margens do rio as pequenas mudas de flores, subiu a pedreira chegando a seu cume, e lá despejou a água que lhe foi dada, e desceu apressadamente, sem olhar para trás como lhe foi dito.

    Chegando novamente as margens do rio, Casemiro se ajoelhou diante de seu pequeno jardim, fechou os olhos, agradeceu a oportunidade lhe dada, e orou de todo coração e com toda sua fé a Deus, nosso Pai Maior.

    Quando clamava a Deus, ouviu um intenso romper de água, assustado abriu os olhos, e diante deles viu o nascer de uma cachoeira do alto da pedreira, que fazia com que as águas se encontrassem com o rio, fazendo seu curso aumentar, e distribuir pequenas gotas de orvalho sobre as pequenas flores, que cresceram e floresceram mais e mais diante dos olhos de Casemiro, que estava lacrimejando muito emocionado.

    Ele sorria intensamente, e agradecia por tudo aquilo, via que Deus tinha lhe escutado, e estava orgulhoso e feliz com a sua própria fé.

    Foi até a cachoeira, e nela ouviu a voz da linda mulher dizendo-lhe:

    "Recomece seu trabalho de cura e caridade, e na hora certa volte para as mãos daquela que lhe batizou. A partir desse dia sua luz e seu caminho estarão ligados exclusivamente em fazer o bem, mas o bem espiritual, e eternamente."

    Ao dizer isso a bela mulher aparece saindo das águas da bela cachoeira, molha suas mãos e novamente faz o gesto de batizar Casemiro, que muito emocionado e feliz se entrega as lágrimas, que se misturam com o as gotículas das águas sagradas.

    Ao término da consagração, a linda mulher diz a Casemiro para seguir seu caminho pela caridade, e assim ele o faz. Colhe várias flores, enche sua moringa com a água da cachoeira e parte para a fazenda, lá chegando começa a sua missão de cura de seus irmãos negros. Não demorando para que sua fama se espalhasse novamente, trazendo a melhora de todos daquela região, sendo brancos ou negros, homens ou mulheres, crianças ou idosos, ricos ou pobres, livres ou escravizados.

    Na fazenda onde residia Casemiro, ele se tornou amado e respeitado por todos, inclusive pelo coronel, que o tratava com extrema atenção, pois Casemiro tinha auxiliado na cura do único filho do coronel, e esse certamente lhe devia muito.

    Dentro da fazenda, a pedido de Casemiro, todos os negros receberam uma choupana para fazerem moradia, assim sendo foi destruída as senzalas e todos os troncos de castigo daquela fazenda.

    Casemiro recebeu também a sua moradia, e nela um pequeno pedaço de terra para que ele pudesse criar seu rebanho de cabras, animais que tanto amava, além de poder fazer seus belos e divinos jardins com suas maravilhosas e perfumadas flores, flores que encantavam a todos que ali chegavam.

    Muitos anos se passaram, e a rotina de Casemiro era cuidar de suas cabras, e de suas flores, além de dia após dia caminhar até a linda e poderosa cachoeira, para apanhar água e mais flores sagradas, para auxiliar nas dores de quem necessitava.

    E em uma certa tarde, quando Casemiro fazia sua trajetória, ele se depara com a bela mulher que no passado havia o batizado. Ela sorri para ele, mas nada diz, apenas o acompanha com passos suaves por todo caminho até a cachoeira.

    Ao chegar lá ele observa um casal de joelhos diante da cachoeira, e em seus braços uma criança inerte. Era uma linda menina de aproximadamente três anos, que com os olhos cerrados, ardia em um estado febril extremo. Sua pele pálida, olhos fundos, seus lábios arroxeados sem vida, trazia um desespero extremo aos pais que choravam copiosamente, rogando a Deus para que não levasse sua menina.

    Casemiro se aproximou perguntando ao casal do ocorrido, e eles explicaram que a menina de uma hora para outra foi se debilitando, até que chegou ao ponto visto. Eles, os pais, tiveram uma visão, no qual fora pedido a eles que trouxessem a pequena para aquele local, pois ali seria a única chance dela sobreviver aquele mal.

    Casemiro se ajoelhou junto ao casal e a menina, a observou atentamente, pegou um ramalhete de flores, água da cachoeira, e macerou com muito cuidado. Chegou até a menina fez alguns emplastros, aguardou algum tempo, mas não via resultados. Ficou um pouco ansioso, buscou novas flores, acendeu uma pequena fogueira, apanhou mais água, e dela fez um chá. Deu a menina com muita dificuldade, porém nada de resultados positivos. A menina continuava inerte. Nesse instante Casemiro voltou-se para a mulher que o acompanhava e o observava atentamente, perguntando-lhe o que deveria fazer, pois não queria deixar a pequena menina desencarnar, e já tinha feito tudo que aprendera em todos aqueles anos.

    A mulher com um olhar sereno, porém mais sério que de costume, disse a Casemiro:

    "Meu filho amado, chegou a hora de mostrar a verdadeira caridade para que você siga para seu trabalho espiritual eterno. Mas isso vai depender de sua verdadeira fé, de seu livre arbítrio e de sua intensa caridade."

    Nesse momento desejo que decidas, entre a vida dessa pequena sofredora, ou a sua própria vida. Se despejares sobre essa menina todas suas forças espirituais, ela vai se reanimar, e sanar todos seus males, caso contrário desencarnará muito antes de seu tempo real de encarnação.

    Em suas mãos estará a vida e a caminhada desse pequeno ser. E em suas mãos também estará seu próprio destino."

    Ao ouvir isso, Casemiro, sem pensar duas vezes, vai até seu jardim divino, apanha as flores por intuição, as molha na cachoeira e as coloca sobre o pequeno corpo da menina, se ajoelha, faz suas preces, fala palavras não entendíveis, as mesmas palavras que foram ditas pela a bela mulher em seu nascimento e batismo. Um raio de luz atravessa o céu, pairando sobre o negro já idoso e a menina, o vento uiva, a cachoeira espalha gotículas de água abençoando o gesto de Casemiro, os pássaros rodeiam os dois, e a menina começa a se recuperar, enquanto Casemiro clama, com sua voz cada vez mais enfraquecida.

    Uma luz muito intensa sai das mãos do velho Casemiro, e como se energizasse a criança, ia dando-lhe forças, e assim ela ia ficando mais corada, abrindo seus pequenos olhos, seus lábios ficando rosados, retomando a vida.

    E assim a menina se recupera, porém, nitidamente Casemiro se enfraquece intensamente, com tanta força que não consegue se erguer e fica deitado ao lado de suas flores divinas.

    O casal tenta ajudá-lo, porém ele agradece e pede que levem a pequena menina de volta a sua moradia para que ela descanse. A menina com os olhos brilhantes vai até Casemiro, o abraça lhe dando um beijo na face, e todos partem, respeitando o pedido do velho negro.

    Ele continua ali deitado, junto as suas flores e nas margens do rio, onde deságua a cachoeira, e em pouco tempo desencarna.

    Pássaros de todos os tipos, tamanhos, espécies, com lindas cores, e belos cantos chegaram até o corpo inerte de Casemiro, depositando uma flor na qual traziam nos bicos, cobrindo-o por inteiro.

    Essas flores germinaram como por encanto, fazendo com que ali onde estava depositado o corpo de Casemiro se transformasse em um belo e esplendoroso jardim.

    Ao longe dali se via o espírito de Casemiro, juntamente com de seu pai Juvêncio e de sua mãe, além da linda imagem de Mãe Oxum, Orixá que o acompanhou desde o nascimento.

    Hoje Casemiro é uma Entidade de Luz, trabalhadora na linha dos Pretos Velhos, e que encanta a todos com seus gestos carinhosos, seu amor incondicional, e sua caridade suprema.

    Salve as Almas Benditas!

    Salve o amado Pai Casemiro!

Carlos de Ogum



domingo, 20 de maio de 2018 36 comentários

Oração aos Ciganos. (Por: Carlos de Ogum)


Resultado de imagem para santa sara kali

Salve o maravilhoso Povo Cigano

Com a luz de Deus, de todos os Orixás, de Santa Sara Kali, e do Povo Cigano,
eu venho aqui hoje de joelhos rogar por proteção.

Peço proteção a esse divino Povo de Luz,
que me mostre o melhor caminho para caminhar,
que me conceda saúde ao meu corpo físico,
que me dê luz a minha essência espiritual,
que me dê entendimentos sobre meus vícios,
que me leve ao caminho da paz,
que me ensine à caridade pura,
que me envolva com o amor divino,
que me demonstre como refletir para o bem,
que me auxilie a limpar minha aura,
que me faça entender a natureza,
que me conceda um bom futuro, sem as cargas do passado,
e com lições do presente.

Amados Ciganos de luz,
agradeço por tudo de bom que vós me concedeste,
e já agradeço por tudo que continuarás me concedendo,
pois sou um filho de Deus e um protegido do Povo Cigano,
e assim conquistarei tudo com a força da Lua Cigana e dos Mentores
Ciganos, pois eu tenho fé, uma extrema fé,
e realizarei todos os meus sonhos com as bênçãos de Deus,
de Santa Sara Kali e dos Ciganos.

Rogo com humildade a linha Cigana que sempre ilumine meu caminho,
afastando os inimigos e os destinando para longe de mim e da minha família,
levando-os sempre para longe de minha estrada,
peço que os olhos deles nunca cheguem até os meus,
rogo que seus passos não cruzem o meu caminho,
que suas palavras de maledicência não cheguem aos meus ouvidos,
e que seus obsessores não cheguem até a minha vida.

Senhores Ciganos e senhoras Ciganas,
peço forças a vós que me auxiliem a conquistar todos meus objetivos,
sejam esses materiais, profissionais, ou espirituais,
rogo a vós que me mostrem os caminhos para que meus negócios prosperem
sem que me leve à ambição e a ganância.

Peço poder ao Povo Cigano e a Santa Sara Kali,
para que abrande meu coração, retirando as angústias, as dores,
os sofrimentos, a cólera e o ódio.

Que o reinado dos Ciganos abra meus caminhos
para receber a fé em teu poder milagroso,
e assim eu vença o mal, assim como seja vencedor sobre todas as tempestades,
e possa caminhar sobre os caminhos no qual
Jesus Cristo caminhou.

Que a luz Cigana me fortaleça nesse momento
como se eu fosse um verdadeiro Cigano,
e que eu possa abrandar os leões que rugem para me devorar.

A vós peço auxílio para afugentar as almas perversas que desejam me dominar,
peço luz brilhante as minhas tristezas, para a felicidade chegar,
abençoe-me para que eu nunca afunde no Oceano da vida.

Sei que sou pecador, tenho defeitos extremos, sou triste,
amargurado, sofrido, mas cá venho para rogar forças e coragem,
para seguir e lutar por um futuro ao lado de Deus.

A vós Povo Cigano,
entrego a minha vida para que possas fazer dela o melhor,
que eu possa lutar pelo bem, pelo amor e pela caridade,
assim como já o fizeram em suas vidas de encarnados, lutando pelo bem,
e vivenciando a caridade, entrego-lhes a minha existência e rogo que
façam dela sempre um escudo poderoso para que ninguém do mal consiga
se aproximar de mim com intenções que não são dignas de minha pessoa,
e que nenhum mal visível ou invisível possam chegar até a mim.

Nobres Ciganos,
faça de meu corpo um espelho,
para que possa ser refletido nas pessoas sem luz,
todo mal que possam me desejar.

Que a luz do Povo Cigano me ilumine dia a dia!

Salve os Ciganos e Ciganas!

Salve Santa Sara Kali!

Opchá Povo Cigano!

Resultado de imagem para povo cigano

Carlos de Ogum

quinta-feira, 10 de maio de 2018 43 comentários

Oração aos Pretos Velhos (Por: Carlos de Ogum)


          
Resultado de imagem para pretos velhos

Amados Pretos Velhos!

Em nome de Deus, nosso Pai Maior,
humildemente venho a vocês, maravilhosos espíritos de luz,
para buscar minha paz,
buscar ensinamentos,
buscar caridade,
buscar luz no meu caminhar,
buscar entender e compreender os designos de Deus nosso Senhor,
para que assim eu possa ser um verdadeiro filho desse amor divino.

Queridos senhores e senhoras do cativeiro,
de joelhos rogo sua benção para que me mostre à luz da caridade,
da humildade,
do amor,
da paz,
da compreensão,
da verdade,
da fé.

Com a benção divina de Nosso Deus,
peço que a irradiação desses Anjos chamados de Pretos Velhos,
me conceda vosso amparo divino nesse instante,
que eles nos enviem vossa caridade, vosso amor e vossa luz,
que toda essa imantação de carinho envolva meu espírito,
que todo esse poder do bem remova as imantações e vibrações negativas
do meu corpo físico, da minha aura e de minha alma.

Santíssimos enviados de Deus,
com meu coração aberto peço vossa presença ao meu lado eternamente,
rogo que me conceda vossas bençãos divinas,
que me auxiliem nesse momento de dor em minha vida.

Peço aos Senhores que equilibrem meu espírito,
que acalmem meu coração,
para que assim equilibrado e em paz eu possa direcionar meus
pensamentos e ouvir vossas lições e ensinamentos.
que da mesma forma eu seja irradiado as forças divinas de Deus e
consiga superar todas as dificuldades, podendo me livrar de todas as
formas de obsessão, carmas, e de cargas negativas que possam estar
junto a mim nesse momento.

Amados Pretos Velhos,
com sua imensa luz e sabedoria,
interceda sempre por mim,
para que eu consiga ser merecedor,
e assim ser auxiliado pelas forças e hierarquia de luz na qual tenho
alguma ligação.

Divinas Almas Benditas,
abra meus olhos para que eu possa enxergar meus erros,
me deixe consciente desses erros para que eu possa buscar
retificá-los.

Queridos Pretos Velhos,
sejam sempre a guia que eternamente irá me conduzir à senda de
evolução nessa amada terra santa de nosso Deus divino,
removendo todos os obstáculos e pedras que possam me prejudicar a
seguir rumo à evolução espiritual.

Clamo a vocês, amados Pretos Velhos,
que nunca deixem faltar à sabedoria necessária para que eu possa tomar
as decisões acertadas, e assim sendo eu consiga remover as situações
que perturbam meu caminhar.

Abençoados Senhores e Senhoras do cativeiro,
rogo a vós que nunca deixem faltar em meu corpo físico à saúde, pois
sem ela não teria forças para buscar a evolução.

Rogo também que nunca deixe faltar o alimento diário,
que nunca falte o calor do Sol,
o brilho da Lua,
a beleza das estrelas,
a força da natureza,
rogo também que nunca deixe faltar esperança em realizar meus sonhos,
que eu nunca esqueça em distribuir a caridade,
em ouvir meu irmão,
em mostrar a fé,
em pregar a força divina de Deus.

Meus amados vovôs e vovós,
vós que sois a essência da humildade,
da bondade,
da misericórdia,
do amor,
da fé,
olhai por mim que tanto creio no vosso carinho,
nas vossas lições,
no vosso amor.

Dai senhores e senhoras a minha compreensão verdadeira,
para que eu tenha a clareza de pensamento, abrindo meus olhos e assim
eu seja sempre praticante do bem e da caridade a todos que necessitem,
dentro da humildade de vossa sabedoria, fazendo com que eu reconheça a
existência de Deus misericordioso.

Pretas Velhas e Pretos Velhos divinos,
me perdoe por ainda não ter percebido meus erros já cometidos,
me conceda vosso imenso amor e sabedoria,
que vossa luz me ilumine nesse mundo e em todos lugares que eu possa
passar peço vossa proteção,
peço humildemente que aceite meu arrependimento,
e me conceda caminhar até vós pelo caminho da perfeição,
peço que me dêem orientação no caminho da virtude,
e me faça compreender que esse é o único caminho a trilhar,
peço misericórdia para os supostos inimigos,
e luz a todos que se encontrem na escuridão.

Louvados sejam todos os Pretos Velhos,
louvados sejam todas essas almas de luz que formais o Santíssimo
Rosário da Virgem Maria,
louvados sejam essas Santas Almas Benditas que auxiliam e protegem
todos aqueles que se encontram em aflição.

A vós recorreremos sempre amados espíritos puros,
pois sois grandiosos pela humildade e bem aventurados pelo grande amor
que irradiam rogo que me socorram, pois me encontro em aflição,
concedam-me meus bondosos Pretos Velhos, a graça de que eu seja
merecedor, através de sua sagrada intercessão junto a amada e Santa
Virgem Maria, divina mãe de Deus e de todos nós.

Dai-me meus Pretos Velhos,
uma fração de vosso amor,
de vossa humildade,
de vossa fé,
de vossa caridade,
de vossa pureza de pensamentos,
para que eu possa cumprir minha missão na terra, seguindo todos vossos
exemplos de bondade.

Louvadas sejam todas as Santas Almas Benditas,
e que elas tenham piedade de nós.

Que Assim Seja!


Humildemente peço a benção a todos os Pretos Velhos e todas as Pretas
Velhas, em especial aos vovôs e vovós do Terreiro de Umbanda Pai Ogum
Megê:

Vovô Rei Congo das Almas, Vovô Benedito da Calunga, Pai Antero da
Encruzilhada, Vovó Joaquina, Vovó Anita, Pai José, Vovó Cambinda,
Pai Cipriano, Vovô Chico, Vovô Joaquim, Pai Isidoro, Vovó Maria Conga,
Pai Antonio, Vovó Benedita e Vovô Casemiro.

Adorei as Almas!

Carlos de Ogum

Resultado de imagem para pretos velhos

 
;