domingo, 15 de março de 2020 1 comentários

Entidades do Terreiro de Umbanda Pai Ogum Megê (TUPOM): Linha das Ibeijadas


Resultado de imagem para ibeijada

    Dando continuidade aos textos que se referem às características das Entidades de Luz trabalhadoras do Terreiro de Umbanda Pai Ogum Megê (TUPOM), para tentarmos passar aos amigos o modo de trabalho de cada uma dessas divindades, demonstrando o nosso carinho, e assim frisar a cada um dos leitores que temos o prazer e a benção de reconhecer todas essas Entidades de Luz, independente da linha, irradiação, modo de trabalho, e assim poder passar a cada um de vós, a magnitude desses Anjos de Deus, demonstrando cada gesto, cada sorriso, cada palavra, fazendo assim jus a benevolência e o amor caridoso desses seres de luz.

    Em outras postagens falamos um pouco de nossos Caboclos e Caboclas, das belas Pombos Giras, dos amados Pretos e Pretas velhas, dos graciosos Ciganos e Ciganas, dos nossos Guardiões Exus, dos nossos amigos da estrada, os Malandros e Malandras, e dos nossos poderosos Boiadeiros do nosso amado Terreiro de Umbanda Pai Ogum Megê, no qual segue os links abaixo:















    No texto de hoje falaremos um pouco de nossas amadas e maravilhosas Ibeijadas, as doces crianças da nossa Umbanda, que em nossa casa tem os seguintes nomes de trabalho:

Cosmezinho de Oxum.
Joãozinho das Matas.
Pedrinho de Xangô.
Rosinha de Omulú.
Joaninha das Almas.
Mariazinha Sereia do Mar.
Joãozinho de Xangô.
Zezinho da Praia.
Juquinha das Almas.
Mariazinha da Praia.
Aninha Estrelinha do Mar.


    E agora vamos falar resumidamente de cada um deles, seu modo de trabalho, seu atendimento aos consulentes, e suas principais características como Entidade de Luz trabalhadora pela e para a espiritualidade.

COSMEZINHO DE OXUM: Assim como o chamado de seu nome já diz, o nosso sapeca Cosmezinho vem na irradiação da Orixá Oxum, muito amável, amigo de todos, conselheiro supremo, brincalhão, adora seu guaraná ou água com açúcar, se encanta com musicas de ciranda e adora dançar.

    Seus trabalhos agem sobre todas as benevolências, um poderoso protetor das crianças, tem por finalidade auxiliar as aberturas de caminhos para empregos, e objetivos que estejam dentro das regras da Umbanda.

    Por muitas vezes ele para como se estivesse em profundo transe, e de repente sai brincando e pulando, e nessa ação ele está tirando todas as cargas negativas do consulente ou do ambiente.

    Tem a permissão das Entidades mais velhas para que possa fazer
Correntes, e isso o deixa bastante feliz, e então se concentra e trabalha intensamente junto a sua Falange.

    Seus trabalhinhos se consiste em muita água, açúcar e algumas velas azuis.

    É extremamente verdadeiro e honesto nas palavras, e por muitas vezes seu modo de falar as coisas de um modo infantil porém muito direto, assusta as pessoas.

    Não admite nenhum tipo de pedido que vá em desacordo com as leis e regras da Umbanda, muito menos contra as regras da casa que trabalha, e jamais parará para ouvir um consulente que venha com pedidos assim,

    E assim se dá o término do resumo das características do sapeca, brincalhão e sorridente, Cosmezinho de Oxum.

JOÃOZINHO DAS MATAS: O nosso querido indiozinho Joãozinho das Matas vem na irradiação do Orixá Oxossi, e assim sendo esse Erê tem um diferencial da maioria dos Erês, ele não é muito de falar, de brincar, ou de fazer peraltices, pois tem um estilo próprio, um pequeno guerreiro das matas, e tem o sonho de crescer e ser um poderoso cacique, assim como o seu protetor o Caboclo Sete Luas.

    Como um bom guerreiro, esse menininho não se amedronta com as lutas que tem que enfrentar, e assim sendo é um ótimo combatente contra os espíritos de baixo teor de espiritualidade, que por hora ou outra tentam obsediar as crianças e idosos.

    Esse Erê não gosta de balas e doces, ele fica muito feliz quando lhe oferecem frutas diversas, e se farta de verdade com todo prazer.

    Conhecedor de raízes e ervas, ele sabe trabalhar intensamente no combate de males do corpo físico e espiritual, e assim sempre faz seus trabalhinhos, com muitas ervas, raízes, água, mel e velas verdes.

    E assim se dá o término do resumo das características do pequeno guerreiro das matas, o gracioso Erê Joãozinho das Matas.

PEDRINHO DE XANGÔ: O nosso pequenininho Pedrinho de Xangô, assim como seu nome já diz, vem da irradiação do Orixá Xangô, e assim sendo ele pode ser o menorzinho da turma da TUPOM, porém é uma pedreira em seus trabalhos e força.

    Seu jeitinho doce infantil encanta a todos, sua voz meiga e amável ilumina os olhos de todos os consulentes, e assim fica impossível não se apaixonar por esse Erê, que corresponde a altura os carinhos a ele dispensados.

    Pedrinho tem a magia e poder das pedreiras, e com as pedras faz seus trabalhinhos de magia e de limpeza de aura, espírito e corpo físico.

    Ele sempre chega no terreiro já pedindo suas pedrinhas mágicas, e após recebê-las, faz um gesto de esfregar uma pedra na outra como se estivesse pegando as energias de Pai Xangô para fortalecer a si próprio e assim poder auxiliar a seus consulentes.

    Trabalha atendendo pedidos sobre a saúde das crianças, mulheres grávidas, auxilio para busca de empregos, além de descarrego com suas pedrinhas mágicas.

    Gosta demais de doces, balas, água com mel ou açúcar, ou mesmo guaraná, e fica muito feliz quando é recebido com esses mimos e com muito carinho.

    E assim se dá o término do resumo das características do poderoso, doce e risonho, o Erê Pedrinho de Xangô.

ROSINHA DE OMULÚ: A bela e sapeca Erê Rosinha de Omulú, assim como seu nome já bem diz, vem na irradiação do Orixá Omulú, e assim sendo essa menininha tem um grande trabalho e muito diferenciado dentro da Falange das Ibeijadas, ela tem a grande responsabilidade de encaminhamentos de espíritos endurecidos, descarregos, desobsessões e quebra de magias que envolvem toda a irradiação do Orixá Omulú.

    Tem grande apreço pelas crianças e idosos, e por eles trabalha intensamente.

    Seu trabalho tem por finalidade a proteção extrema, a cura de males do corpo físico e espiritual, além de ter a grande responsabilidade de junto às crianças proteger aos filhos e a própria casa de Umbanda.

    Aprecia demais as pipocas, e com elas faz vários trabalhinhos, fazendo assim que seus consulentes estejam sempre protegidos.

    Saltitante na hora da chegada, tanto assim também quando vai partir, deixa os consulentes intrigados com seus saltinhos, mas isso tem um porque, é o momento da limpeza do ambiente para sua chegada, assim como leva todas as cargas negativas na sua partida.

    E assim se dá o término do resumo das características da linda menina saltitante e sorridente, a Erê Rosinha de Omulú.

JOANINHA DAS ALMAS: A Erê Joaninha das Almas vem na irradiação da Orixá Oxum, e da Falange das Almas além da Falange das Ibeijadas.

    Tem como trabalho principal encaminhamento de espíritos endurecidos e obsessores que possam estar afligindo seus consulentes e protegidos.

    Trabalha com orações, ervas, velas e água, também em alguns casos pode utilizar a pemba branca ou rosa para cruzar e fechar o corpo de seus consulentes.

    Não é muito sapeca, é mais centrada e silenciosa do que a maioria das Ibeijadas, por vir da linha das Almas, assim como os Pretos Velhos, essa doce menininha está sempre buscando elevar a fé de seus consulentes com palavras doces e meigas.

    Gosta de todos os tipos de doces, e ainda toma café, mas não como os Pretos Velhos, pois ela aprecia que adoce o seu cafezinho com mel.

    Sempre que inicia uma consulta, ela costuma pegar nas mãos de seu consulente e pedi-lhe que faça a oração da Ave Maria, e assim dá continuidade a consulta.

    E assim se dá o término do resumo das características da amável e cheia de fé e luz, a Erê Joaninha das Almas.

MARIAZINHA SEREIA DO MAR: A bela Erê Mariazinha Sereia do Mar vem na irradiação da Orixá Iemanjá, e sendo assim é uma Erê extremamente ligada à família e as coisas infantis, assim como também as gestantes e todo processo até o parto.

    Sendo essa linda menina da Falange das Ibeijadas, assim como também é da Falange dos Encantados, por ser uma linda Sereia, e ter o domínio do mar e das águas salgadas.

    Seu modo doce de falar e de agir encanta a todos, ficando ela sempre com palavras tímidas, seus olhos baixos, demonstrando que realmente não é uma menina como a maioria das Erês que chegam falando brincando e saltitando. Ela demonstra uma quietude bastante grande, mas uma sabedoria extrema para lidar com todos os tipos de males a serem enfrentados pelos seus consulentes.

    Gosta muito de flores, e adora se enfeitar com elas, e com essas flores também faz a limpeza de aura dos seus consulentes, assim como os descarregos e a maioria de seus trabalhinhos.

    E assim se dá o término do resumo das características da encantadora menina sereia, a doce e tímida Erê Mariazinha Sereia do Mar.

JOÃOZINHO DE XANGÔ: O Erê Joãozinho de Xangô, assim como o nome já diz, vem na irradiação de Pai Xangô, e ainda não esteve de modo presencial no terreiro para dar consultas a consulentes, apenas trabalhando nas firmezas da casa, e nos encaminhamentos necessários de sua força e luz. Assim sendo não poderemos falar muito intensamente desse amiguinho, apenas que ele trabalha juntamente com Pedrinho de Xangô nos trabalhos mais intensos, principalmente em favor das crianças adoentadas.

    E assim se dá o término do resumo das características do querido e místico Erê Joãozinho de Xangô.

ZEZINHO DA PRAIA: O nosso próximo amiguinho de Aruanda vem na irradiação da Orixá Iemanjá, e assim sendo ele é um doce e carinhoso protetor das crianças, família, idosos, grávidas, e todas as pessoas que buscam nele um auxílio para realizar seus objetivos.

    Extremamente amável, esse menininho jamais deixa de ouvir com atenção seus consulentes, e sempre tem uma resposta animadora, mesmo nos problemas que parecem insolúveis.

    Gosta de abraços e cafuné, assim como adora seus docinhos e guaraná.

    Quando chega no terreiro já abraça a primeira pessoa que esteja próximo a ele, e com um lindo sorriso no rosto, já anuncia seu nome e sua chegada.

    Trabalha com a força do mar, e em muitos de seus trabalhinhos gosta de usar a água salgada, areia do praia, além de algas.

    E assim se dá o término do resumo das características do nosso amiguinho apreciador de peixinhos, o queridíssimo Erê Zezinho da Praia.

JUQUINHA DAS ALMAS: Juquinha das Almas vem na Irradiação do Orixá Obaluaiê, e ainda não trabalha em incorporação em médiuns, ele trabalha em auxilio as outras Entidades de Luz nos descarregos, desobsessões, encaminhamentos e proteções ao terreiro.

    E assim se dá o término do resumo das características do amigável e iluminado Erê Juquinha das Almas.

MARIAZINHA DA PRAIA: A Erê Mariazinha da Praia vem na irradiação de Mãe Iemanjá, ela é bem vaidosa, gosta de flores e fitas nos cabelos, e com essas fitas e flores que faz também seus trabalhinhos, assim como também utiliza a areia da praia, a água do mar e as conchinhas.

    Mariazinha é uma linda menininha de olhar carinhoso, de sorriso tímido, de ar um tanto envergonhado, e a nossa amada criança de luz faz sempre o bem, tentando deixar seus consulentes mais esperançosos e felizes na caminhada da vida.

    Essa doce menininha chega no terreiro com um ar de criança mimada, chora, faz biquinho, mas logo fica com seu sorriso a mostra, adora seus docinhos e guloseimas, e está sempre disposta a auxiliar a quem necessita.

    Seus trabalhos são especiais às crianças e as grávidas, mas em todo tipo de ajuda ela está presente.

    E assim se dá o término do resumo das características da graciosa e tímida, a linda Erê Mariazinha da Praia.

ANINHA ESTRELINHA DO MAR: A Erê Aninha Estrelinha do Mar vem na irradiação da Orixá Iemanjá em conjunto com a Orixá Oxum e a Orixá Iansã, sendo assim essa linda menina dos mares tem diversas funções dentro do terreiro, e vem de formas diferente a cada irradiação que nela se apresente.

    Às vezes ela vem sorrindo e mais tranquila, em outras vezes ela já vem pulando e brincando, batendo palmas e até cantando, e tem vezes que ela chega sem nada falar, sem brincadeiras costumeiras, apenas chega olha em todo o terreiro e se vai.

    Seus trabalhos se consiste em familiares, saúde, desobsessão, limpeza de aura, abertura de caminhos, além de trabalhar diretamente no auxilio das crianças.

    E assim se dá o término do resumo das características da linda menina do mar a doce Erê Aninha Estrelinha do Mar.

    E assim terminamos esse texto que demonstra resumidamente o trabalho, a força, o modo de ser e de trabalho dos nossos lindos e encantadores Erês, as nossas crianças de luz, nossas amadas Ibeijadas.

Oni Ibeijada!



Carlos de Ogum

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 35 comentários

História da Mariazinha Sereia do Mar


Resultado de imagem para sereia criança



*******************************************************************
De palavras doces e serenas,
essa criança devemos amar,
de gestos de caridades extremas,
filha divina do fundo do mar.

Seus olhos pequenos de brilho cintilante,
que a nós foi enviada por Oxalá,
demonstrando seu amor grandioso e constante,
filha tão bela de nossa Mãe Iemanjá.

Nos abençoa e protege eternamente,
e conosco sempre essa luz vai estar,
seja na alegria ou tristeza ardente,
rogo sempre a linda menina, Mariazinha Sereia do Mar.
*******************************************************************

    Mariazinha Sereia do Mar é uma linda e doce Entidade de Luz que trabalha na linha de Umbanda trazendo a todos nós, conforto, amor, paz e caridade extrema.

    Ela é da Falange das Ibeijadas e dos Encantados, das crianças e das Sereias de Umbanda, e vem pela linha da doce e bela Orixá Iemanjá.

    A história dessa menina de luz começou no final do século XIX, na região Nordeste do nosso Brasil, onde ela teve seu nascimento em sua última encarnação terrena, antes de ter a benção de se tornar uma Entidade de Luz.

    Nascida em uma choupana as margens de uma linda praia onde havia um pequeno vilarejo de pescadores, filha de uma bondosa mulher benzedeira da região, e um pescador que sobrevivia e alimentava sua família com os peixes que eram pescados do imenso mar de Iemanjá. E nesse cenário nasceu à linda menina que levou o nome de Maria das Graças, Maria para seguir a tradição do nome da mãe e da avó, e das Graças, pela graça que recebiam por terem como tirar seus sustento do imenso e místico Oceano.

    Maria das Graças tinha 4 irmãos, sendo três meninos e uma menina, e ela sendo agora a caçula, sempre foi acariciada por toda a família, fazendo assim dela a princesinha da choupana.

    Desde que nascera era vista como um pequeno ser de luz pelos
familiares e pelos moradores da região, e assim ela foi crescendo no meio do povoado.

    Com seus três anos de idade, a menina surpreendeu a todos, pois em uma tarde de intenso calor, como era de costume, os moradores se juntavam para troca de alimentos, uns traziam hortaliças, outros traziam pães, outros traziam cereais, e a maioria traziam peixes para serem trocados uns com os outros, fazendo assim que todos se alimentassem bem.

    Dentre essas pessoas havia uma mulher que se encontrava só, e extremamente abatida. Disse à comunidade que seu esposo não poderia trazer nada para as trocas, pois ele se encontrava muito adoentado, e ela naquele momento necessitava de alimentos, porém nada teria para fazer a troca.

    A menina Maria das Graças ouvindo isso saiu ao encontro dessa mulher, levando algumas hortaliças, cereais e peixes que o seu pai teria já conseguido nas trocas. Diante dela, com seu sorriso infantil lhe entregou os alimentos, e lhe disse que ela deveria esperar um pouco que ela já voltava. Nisso a menina saiu de perto das pessoas, e foi em direção à praia. Todos muito curiosos com a atitude de Maria foram a acompanhando ela com olhares.

    A menina parou diante da margem dessa praia, e em um gesto de amor e caridade abriu os seus pequenos braços para o mar, e como o abraçando foi fechando seus bracinhos, caiu de joelhos e começou a clamar, como as pessoas estavam distantes não fora ouvido suas preces, mas diante de todos, uma linda luz azulada apareceu, e foi encobrindo a menina, que se abaixou e pegou algo que fora trazido pelas ondas até as suas mãos.

    Em um gesto de agradecimento ela colocou as mãos apóstolas, abriu um largo sorriso e jogou um beijo, fazendo assim atiçar ainda mais a curiosidade de todos.

    Ela retornou correndo para junto das pessoas do vilarejo, enquanto a luz azulada ia se diluindo, e ao chegar diante de todos foi até a senhora que lhe aguardava. Diante dela ela disse:
    "Leve essas algas a seu esposo, peça ele para comê-las dessa maneira por três dias seguidos, ou seja, cruas, e com a salinação das águas marinhas, e assim ele vai melhorar."

    A mulher ficou extremamente agradecida, e partiu com os alimentos e as algas, e ao chegar a sua choupana, observou uma piora considerável na saúde do esposo, mesmo grandiosamente debilitado ela o fez digerir uma parte das algas, porém já sem esperanças.

    Em frente à pequena choupana os moradores do vilarejo se acumulavam fazendo suas orações pelo restabelecimento do homem, e a pequena Maria das Graças foi até a beira da esteira onde estava o corpo inerte dele, e lá disse a mulher:
    "Não fique triste, mãezinha Iemanjá disse que ele vai melhorar, só não pode deixar de dar a ele as algas para comer."

    Na madrugada seguinte o homem que antes estava totalmente inerte, abriu os olhos, e chamando pela esposa pediu-lhe água, pois estava muito sedento.

    Ela irradiante de felicidade deu-lhe a água, um forte abraço, e mais um pouco da alga que Maria das Graças lhe dera.

    Já pelo final da manhã do mesmo dia, o homem já estava muito mais fortificado, sem a febre extrema, já conversando com a esposa, e agradecido à menina Maria, e a linda senhora Iemanjá.

    Passaram os três dias e o homem já estava totalmente restabelecido, já se encontrava muito disposto a voltar sua rotina de trabalho no mar como pescador.

    E assim a doce e serena Maria das Graças ficou muito mais conhecida, ela era vista como a menina que curava pessoas através das algas marinhas, cedidas pela linda Iemanjá.

    Depois desse primeiro fato, Maria auxiliou na cura de centenas de pessoas, do próprio vilarejo e de outras regiões distantes dali.

    E o tempo foi passando, e quando Maria das Graças estava com seus seis anos ela teve uma visão com a Mãe Iemanjá, e nessa visão um diálogo no qual ela deveria se preparar, pois seu tempo terreno estava se findando, porém antes ela teria uma perda para ter um futuro ganho.

    Ela guardou aquela informação apenas para ela, para não deixar seus familiares preocupados.

    Naquela região tinha um dia muito esperado, no qual festejavam a fartura de alimentos que o mar lhes abençoavam, e chegou o dia da festa, e todos participavam, enfeitando o vilarejo, fazendo vários pratos com referencias ligadas ao mar, tinha muitas danças, músicas, felicidade, agradecimentos, e no final do dia uma procissão no qual todos os barcos de pesca participavam. E naquele ano esse dia seria exatamente no dia do aniversário de sete anos de Maria das Graças, fazendo assim com que a festa fosse muito mais especial.

    Nessa procissão tinha uma tradição, um pesqueiro, escolhido pelo povo, deveria ir à frente, e deveria chegar a uma ilhota próxima, e esse pesqueiro hastearia uma bandeira que foi confeccionada pelas esposas dos pescadores nessa ilhota. Diante da tradição local era uma extraordinária honraria ao pescador que fosse a frente para cumprir essa missão.

    No festejo daquele ano foi escolhido o pesqueiro do pai de Maria das Graças, e ele deveria sair por volta de uma hora antes da procissão, aquilo para ele foi uma honra extrema, e assim sendo festejou muito com a notícia, a sua felicidade era tanta que ele desejou dividir com sua esposa e seus filhos, principalmente a caçula, que estaria fazendo seus sete anos naquele dia, e os convidou a fazer esse trajeto com ele.

     Todos estavam extremamente felizes, porém Maria das Graças estava sem seu costumeiro sorriso infantil e lindo, parecia um tanto preocupada, talvez triste, e volte e meia de seus olhinhos brotavam lágrimas cintilantes.


    Chegou o momento de partida da embarcação, o mar estava em calmaria, pessoas dançavam e cantavam músicas com referências da festa.

    Nesse momento Maria que já estava preparada para entrar na embarcação, observa distante o homem no qual auxiliou a primeira vez seu restabelecimento físico com o poder das algas de Mãe Iemanjá. Ela saiu em seu encontro, o abraçou juntamente com sua esposa, e fez-lhes um pedido. E assim ela disse:
    "A festa não pode acabar aqui, sigam com a tradição, porém a cada dia em que os pescadores se encontrarem, façam uma oração por mim e pela minha Mãezinha Iemanjá. Só assim poderei cumprir minha verdadeira missão."

    Dizendo isso ela deu um sorriso tímido e partiu, enquanto o casal, sem muito entender se entregaram as lágrimas.

    A embarcação da família de Maria das Graças partiu, seu pai com um grande sorriso ergue a bandeira que fora confeccionada para aquele momento. A mãe e os irmãos mais velhos de Maria acenavam em um grande teor de felicidade para o povo que ficava para trás, gritos, cantorias, felicidade extrema, porém a menina Maria apenas dava um leve aceno com sua mãozinha, sem muita empolgação.

    Nada poderia dar errado, o mar em calmaria, ventos fracos, Sol brilhante, e já estavam no meio do percurso, quando sem mais ou menos o mar fica mais agitado, e diante dos familiares de Maria das Graças uma enorme onda nasce indo em direção da embarcação, engolindo-a completamente e fazendo que ela desaparecesse no mar como um passe de mágica.

    Do mesmo jeito que a grandiosa onda veio ela se foi, porém apenas vestígios do pesqueiro que foram visto após a chegada da procissão no local.

    Não se via sobreviventes, nem corpos, apenas pedaços de madeira do casco do pesqueiro. E dias e dias foram feitos buscas, porém nada se encontrava referente aos familiares de Maria das Graças.

    Um ano se passou depois do fato, e como prometido a Maria, os festejos não se findaram, e então chegou mais uma festa, não tão animada como as anteriores, faltava algo, e ao invés de músicas e dança, a festa tinha orações e muitas lágrimas.

    No entardecer, todos se juntaram as margens da praia e fizeram orações, e foi então que uma das pessoas presentes observou uma enorme luz azulada, e dessa luz brota uma imagem linda, nessa imagem uma bela mulher de cabelos longos e ao seu lado a doce Maria das Graças, que agradeceu as orações, e rogou a todos muita fé, pois o que aconteceu deveria ter acontecido, e só assim ela teria a benção de ser escolhida por Deus a ser uma Entidade de Luz, mesmo que todos os fatos a deixasse extremamente um pouco entristecida.

    Ela disse que hoje mora no mar, tem a beleza das Sereias, e suas palavras mesmo triste são para levar a caridade e o amor a quem necessita.

    E assim a menina Maria das Graças se transformou em uma bela Entidade de Luz, e hoje trabalha nos terreiros de Umbanda na linha das Ibeijadas, e também na linha dos Encantados sendo uma Sereia de Iemanjá.

    Quando ela não está em seu trabalho nas casas de Umbanda e nem em Aruanda, ela fica sentadinha em uma grande pedra rochosa perto do local onde a embarcação de seu pai terreno sofreu o acidente, cantando canções para alegrar os espíritos de seus pais e de seus irmãos, fazendo assim que eles se sintam acolhidos pelas benção de Iemanjá, a nossa Rainha do Mar.

    Maria das Graças tem uma linda missão espiritual, e assim sendo foi dado a ela a junção das Ibeijadas e dos Encantados, fazendo com que a pequena Maria das Graças se transformasse em uma dedicada e extremamente respeitada Entidade que leva em sua Coroa a irradiação dessas duas linhas, fazendo assim ser conhecida no mundo espiritual como a Erê Mariazinha Sereia do Mar.


    Oni Ibeijada!

    Salve as Sereias!

    Oni Mariazinha Sereia do Mar!

Carlos de Ogum



 
;